domingo, 23 de julho de 2017

Trechos de Oração aos Moços (Rui Barbosa)


"Amigos e inimigos estão, amiúde, em posições trocadas. Uns querem mal, e fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem, e nos trazem o mal."

"Que se feche, pois, alguns momentos o livro da ciência; e folheemos juntos o da experiência."

"A vida não tem mais que duas portas: uma de entrar, pelo nascimento; outra de sair, pela morte."

“A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualdade aos desiguais, na medida em que se desigualam. Nesta desigualdade social, proporcionada à desigualdade natural, é que se acha a verdadeira lei da igualdade. O mais são desvarios da inveja, do orgulho, ou da loucura. Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real. Os apetites humanos conceberam inverter a norma universal da criação, pretendendo, não dar a cada um, na razão do que vale, mas atribuir o mesmo a todos, como se todos se equivalessem.

Esta blasfêmia contra a razão e a fé, contra a civilização e a humanidade, é a filosofia da miséria, proclamada em nome dos direitos do trabalho; e, executada, não faria senão inaugurar, em vez da supremacia do trabalho, a organização da miséria.

Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança. Tal a missão do trabalho.”

"Estudante sou. Nada mais. Mau sabedor, fraco jurista, mesquinho advogado, pouco mais sei do que saber estudar, saber como se estuda, e saber que tenho estudado. Nem isso mesmo sei se saberei bem. Mas, do que tenho logrado saber, o melhor devo às manhãs e madrugadas. Muitas lendas se têm inventado, por aí, sobre excessos da minha vida laboriosa. Deram, nos meus progressos intelectuais, larga parte ao uso em abuso do café e ao estímulo habitual dos pés mergulhados n’água fria. Contos de imaginadores. Refratário sou ao café. Nunca recorri a ele como a estimulante cerebral. Nem uma só vez na minha vida busquei num pedilúvio o espantalho do sono."

"Mas, senhores, os que madrugam no ler, convém madrugarem também no pensar. Vulgar é o ler, raro o refletir. O saber não está na ciência alheia, que se absorve, mas, principalmente, nas ideias próprias, que se geram dos conhecimentos absorvidos, que se geram dos conhecimentos absorvidos, mediante a transmutação, por que passam, no espírito que os assimila."

"Uma vez, que Alcibíades discutia com Péricles, em palestra registrada por Xenofonte, acertou de se debater o que seja 'lei', e quando exista, ou não exista.
- Que vem a ser 'lei'?, indaga Alcibíades.
- A expressão da vontade do povo, respondeu Péricles.
- Mas que é o que determina esse povo? O bem, ou o mal?, replica-lhe o sobrinho.
- Certo que o bem, mancebo.
- Mas, sendo uma oligarquia quem mande, isto é, um diminuto número de homens, serão, ainda assim, respeitáveis 'as leis'?
- Sem dúvida.
- Mas, se a disposição vier de um tirano? Se ocorrer violência, ou ilegalidade? Se o poderoso coagir o fraco? Cumprirá, todavia, obedecer?
Péricles hesita; mas acaba admitindo:
- Creio que sim.
- Mas então, insiste Alcibíades, - o tirano, que constrange os cidadãos a lhe acatarem os caprichos, não será, esse sim, o inimigo 'das leis'?
- Sim; vejo agora que errei em chamar 'leis' às ordens de um tirano, costumado a mandar, sem persuadir.
- Mas, quando um diminuto número de cidadãos impõe seus arbítrios à multidão, daremos, ou não, a isso o nome de violência?
- Parece-me a mim, concede Péricles, cada vez mais vacilante, - que em caso tal, é de violência que se trata, não 'de lei'.
Admitindo isso, já Alcibíades triunfa.
-Logo, quando a multidão, governando, obrigar os ricos, sem consenso destes, não será, também, violência, e não 'lei'?
Péricles não acha que responder; e a própria razão não o acharia. Não é 'lei' a lei, senão quando assenta no consentimento da maioria, já que, exigido o de todos, 'desiderandum' irrelizável, não haveria meio jamais de se chegar a uma lei.

"Não vos mistureis com os togados, que contraíram a doença de char sempre razão ao Estado, ao Governo, à Fazendo; por onde os condecora o povo com o título de “fazendeiros”. Essa presunção de terem, de ordinário, razão contra o resto do mundo, nenhuma lei a reconhece à Fazendo, ao Governo, ou ao Estado."

“Os tiranos e bárbaros antigos tinham, por vezes, mais compreensão real da justiça que os civilizados e democratas de hoje. Haja vista a história, que nos conta um pregador do século XVII.
A todo o que faz a pessoa de "juiz", ou "ministro", manda Deus que não considere na parte a razão de príncipe poderoso, ou de pobre desvalido, senão só a razão do seu próximo... Bem praticou esta virtude Canuto, rei dos Vândalos, que, mandando justiçar uma quadrilha de salteadores, e pondo um deles embargos de que era parente d’el-Rei, respondeu: "Se provar ser nosso parente, razão é que lhe façam a força mais alta".

Nenhum comentário: