sábado, 25 de fevereiro de 2017

Análise do Homem – Erich Fromm (trechos)


Os julgamentos dos valores, que fazemos determinam nossas ações, e na sua validade repousam nossa saúde mental e nossa felicidade. 10

...O “vício”, em última instância, vem a ser indiferença para com o próprio eu e uma automutilação. 17

20-21

 Viver é em si mesmo uma arte.
Na arte de viver, o homem é simultaneamente o artista e o objeto de sua arte: ele é o escultor e o mármore, o médico e o paciente. 26

O dever de estar vivo é o mesmo que o dever de transformar-se em si próprio, isto é, de transformar-se no indivíduo que ele é em potencial. 28

“O homem sábio não pensa na morte mas sim na vida” Spinoza. 46

O homem tem de aceitar a responsabilidade por si próprio e o fato de que só empregando suas forças é que poderá dar um significado à sua vida. 48

Tipos de temperamento – colérico (enfurece facilmente), melancólico (deprimido), sanguíneo (super otimista), fleumático (lento demais). 54

Quando o eu individual é desprezado, as relações entre as pessoas têm por força de tornar-se superficiais, porque não são elas mesmas, mas sim mercadorias intermutáveis que se relacionam. 74

Os alunos têm de aprender tantas coisas que mal lhes restam tempo e energia para pensar. O principal incentivo para querer mais e melhor educação não é o interesse pelos assuntos ensinados ou pelo conhecimento e insight assim adquiridos, mas sim o maior valor de troca assegurado pelos conhecimentos. 75

A infelicidade e a tristeza provam que o homem não sabe viver.

...não é o erro que prejudica o homem, mas sim a inatividade. 89

Ao fim da vida, ele descobre que seu caráter explorador e egoísta impediu-o de chegar a ser ele próprio, que a realização do eu só é possível se a pessoa for produtiva, se ela fizer germinar suas potencialidades individuais. 91 [se refere a “o Homem Moderno à procura de si mesmo” de Peer Gynt – Ibsun]

Ama-se aquilo por que se trabalha, e trabalha-se pelo que se ama. 95

Amar produtivamente uma pessoa significa relacionar-se com sua essência humana, com o que nela representa a humanidade. 97

Não é possível respeitar alguém sem o conhecer; o desvelo e a responsabilidade seriam cegos se não fossem orientados pelo conhecimento da individualidade da pessoa. 97

A inteligência é o instrumento do homem para alcançar objetivos práticos com a finalidade de descobrir os aspectos das coisas cujo conhecimento é indispensável para que possa manuseá-las. 97

Só podemos ser objetivos se respeitarmos as coisas que observamos; ou seja, se formos capazes de vê-las em sua singularidade e em sua interconexão. 99

...a objetividade impõe que se veja o objeto como é. 100

Trabalho, amor e pensamento produtivos só são possíveis se a pessoa pode ficar, quando necessário, quieta e a sós consigo mesma. Ser capaz de escutar a si mesmo é uma condição prévia para a capacidade de escutar os outros; ficar à vontade consigo mesmo é a condição indispensável para poder relacionar-se com os outros. 102

A afirmação da própria vida, felicidade, crescimento, liberdade do indivíduo, origina-se de sua capacidade de amar...
Se um indivíduo é capaz de amar produtivamente, ele também ama a si mesmo; se só pode amar a outros, é porque não pode de fato amar. 122

...nada existe mais propício a dar à criança a experiência do que são alegria, amor e felicidade do que ser amada pela mãe que ama a si mesma. 124

O interesse próprio deixou de ser determinado pela natureza do homem e por suas necessidades... 125

“Agirei de acordo com a minha consciência” 131
Se não existisse a consciência, a raça humana há muito tempo teria ficado atolada em seu atribulado caminho. 132

Um aspecto particularmente saliente da singularidade da autoridade é o privilégio dela ser a única que não obedece à vontade de outrem, mas sim quem quer, que não é um meio porém um fim em si mesma; que cria e não é criada. Na orientação autoritária, o poder de querer e criar é privilégio da autoridade. Os subordinados são meios para os seus fins e, consequentemente, propriedade sua e que são usados tendo em vista seus próprios propósitos. A supremacia da autoridade é posta em dúvida quando a criatura tenta deixar de ser uma coisa para tornar-se um criador. 138

[INTERESSE PRÓPRIO – VALORES (EU) X INTERESSE PRÓPRIO – SUCESSO, RIQUEZA (OBJETO)]

A produtividade é a fonte da força, da liberdade e da felicidade. 138

...a consciência culpada (autoritária) torna-se a base para uma consciência “tranquila”, ao passo que a consciência tranquila, caso alguém a tenha, deverá criar um sentimento de culpa. 139 [paradoxo]

A consciência é pois, uma reação de nós face a nós mesmos. 146

Se a consciência sempre falasse alto e bem claramente, só uns poucos seriam desviados de seu objetivo moral.

Quanto mais produtivamente se vive, tanto mais forte é a consciência da gente e, por sua vez, tanto mais ela exacerba a produtividade. (...) a situação paradoxal – e trágica – do homem é que sua consciência é mais fraca justamente quando mais dela precisa.

Outra resposta para ineficácia relativa da consciência é nossa recusa a escutar e – o que é mais importante ainda – nossa ignorância de como ouvir. 147

Escutamos todas as vozes e a todos, mas não a nós mesmos (...). Essa arte requer outra habilidade, rara no homem moderno: a de ficar a sós consigo mesmo. 148

Morrer é sumamente acerbo, mas a ideia de ter de morrer sem haver vivido é insuportável.

A decadência da personalidade na velhice é um sintoma: é a prova de não se ter logrando viver produtivamente. 149




Só se ele compreende a voz de sua consciência, pode retornar a ser ele próprio: se ele não puder, perceberá; ninguém poderá ajudá-lo senão ele próprio.

“A lógica sem dúvida é inabalável, mas não pode resistir a um homem que quer continuar vivendo”. Kafka – O Processo

Essa análise indica que a felicidade e a alegria, embora em certo sentido sejam experiências subjetivas, são a resultante de interações e dependentes de condições objetivas. Tais condições objetivas podem ser resumidas, de modo lato, como produtividade. 158

Felicidade a infelicidade são de tal forma um estado de nossa personalidade total que as reações físicas muitas vezes traduzem-nas melhor do que o nosso sentimento consciente. 165

“O pseudo prazer e a pseudo dor são, deveras, apenas sensações simuladas; são antes, pensamentos sobre sensações do que experiências emocionais genuínas. 166

A deficiência produz tensão e o alívio desta dá lugar a prazer. (...) [a deficiência pode fundar-se em processos psíquicos; como fome, sonolência quando na verdade não são condições físicas] 168

[ponto de vista hedonista – considerando a felicidade idêntica à experiência imediata]

(prazeres)
[Quando a satisfação vem de necessidades fisiológicas são normas e condição indispensável à felicidade. Quando são desejos neuróticos são uma mitigação temporária da necessidade.] 169

A felicidade é uma conquista ocasionada pela produtividade interior do homem e não uma dádiva dos deuses. 172

A felicidade é o indício de que o homem encontrou a solução para o problema de sua existência: a realização produtiva de suas potencialidades e, assim, simultaneamente conseguiu unir-se ao mundo e preservar a integridade do próprio eu. Ao despender produtivamente sua energia, aumenta seus poderes: ele “arde sem se consumir”. 172

Depressão nasce da esterilidade e improdutividade interiores. 172

Os fins têm sido muitas vezes esquecidos numa preocupação obsessiva com os meios. 174

176

A investigação psicanalítica do mecanismo das dúvidas compulsivas revela que elas são a expressão racionalizada de conflitos emocionais inconscientes, provindos de uma falta de integração da personalidade total e de um intenso sentimentalismo de impotência e incapacidade. 180-181

...nessas pessoas automatizadas tenha desaparecido a dúvida ativa, seu lugar foi tomado pela indiferença e pelo relativismo. 181

A história da ciência está repleta de casos de fé na ração e visão da verdade. 185

Só a pessoa que tem fé em si mesma é capaz de ser fiel a outras, pois só então pode estar certa de que será no futuro a mesma que é hoje e, portanto, de sentir e agir como agora espera fazer. Fé em si mesmo é uma condição para a capacidade de prometer qualquer coisa, e como, segundo Nietzsche notou, o homem pode ser definido por sua capacidade de prometer, essa é uma das condições da existência humana. 186

Educar é o mesmo que auxiliar a criança a realizar suas potencialidades. O contrário de educação é manipulação, que se baseia na ausência de fé no florescimento das potencialidades e na convicção de que a criança só será direita se os adultos lhe impingirem o que for conveniente e eliminarem o que pareça indesejável. 186

A base da fé racional é a produtividade; viver por nossa fé significa viver produtivamente e ter a única certeza que existe: a certeza que germina da atividade produtiva e da experiência de que cada um de nós é o sujeito ativo de quem essas atividades constituem o predicado. 187

188

As idéias da liberdade ou democracia degeneram em nada a não ser fé irracional, uma vez que não se baseiam na experiência produtiva de cada indivíduo, porém lhe sejam apresentadas por partidos ou Estados que o forçam a acreditar nelas. 188-189

O homem não pode viver sem fé. A questão crucial para nossa geração e as seguintes é saber se essa fé será uma fé irracional em chefes, máquinas, sucesso, ou a fé racional no homem fundada na experiência de nossa própria atividade produtiva. 189

A ideia da desvalia e nulidade do homem encontrou uma expressão nova, e desta feita completamente secular, nos sistemas autoritários em que o Estado ou a “sociedade” se torna o governante supremo, ao passo que o indivíduo, reconhecendo sua própria insignificância, deve por hipótese satisfazer-se com a obediência e a submissão. As duas idéias, conquanto claramente separadas nas filosofias da democracia e do autoritarismo, são mescladas em suas formas menos extremas no modo de pensar, e mais ainda no de sentir, de nossa cultura. 190-191

A teoria de Freud é dualista. Ele não vê o homem seja como essencialmente bom, seja como essencialmente mau, mas como acionado por duas forças contraditórias igualmente potentes. 192

Duas espécies de ócio: o racional ou “reativo”, e o irracional ou “condicionado pelo caráter”. O primeiro é a reação de uma pessoa contra uma ameaça à vida, liberdade a ideias, suas ou de outra pessoa, sua premissa é o respeito pela vida [...]. O segundo é o traço de caráter, uma disposição contínua para odiar, que consiste no íntimo da pessoa que é hostil em vez de reagir contra um estímulo vindo de fora. 192-193

O ódio irracional dirige-se tanto contra outras pessoas quanto contra o próprio individuo, apesar de nos apercebermos melhor de odiar outras de que a nós mesmos. O ódio contra nós mesmos é comumente racionalizado como sacrifício, desprendimento, ascetismo, ou auto-acusação e sentimento de inferioridade. 193

A potencialidade primária que se concretiza se estiverem presentes as condições apropriadas, a potencialidade secundária, que se concretiza se as condições forem contrárias às necessidades vitais. Como ter ou não condições para uma semente germinar. (...) a destrutividade é uma potencialidade secundária do homem, que só se manifesta quando ele deixa de realizar suas potencialidades primárias, teremos respondido apenas a uma das objeções contra a ética humanista. O homem se torna mau quando estão ausentes as condições adequadas a seu crescimento e desenvolvimento. 195-196

O homem, estando vivo, não pode deixar de querer viver, e o único modo de conseguir sucesso na arte de viver é seus poderes, para gastar aquilo que possui. 197

Os sintomas neuróticos são a manifestação da luta que a parte sadia da personalidade sustenta contra as influências deturpadoras voltadas contra seu desabrochar. 197 [...] Pode-se dizer que toda neurose representa um problema moral. 200

Reprimir um impulso significa afastá-lo da consciência, mas não significa eliminá-lo. 203

Se a sociedade estiver interessada em tornar as pessoas virtuosas, deve interessar-se em torná-las produtivas e, por conseguinte, em criar as condições para o desenvolvimento da produtividade. 204-205

Não façais aos outros o que não quereis que nos façam

A experiência de alegria e felicidade não é só o resultado da vida produtiva, mas também o seu estímulo. 205

O homem é a única criatura dotada de consciência. Sua consciência é a voz que o convoca de volta para si mesmo, permite-lhe saber o que deve fazer para se tornar ele mesmo e auxilia-o a permanecer a par das metas de sua vida e das normas necessárias à consecução dessas metas. Consequentemente, não somos vítimas indefesas das circunstâncias; somos capazes, de fato, de modificar e influenciar forças dentro e fora de nós mesmos e de controlar, pelo menos em certa medida, as condições que atuam sobre nós [...] 202

Compreendemos como e por que ele se tornou o que é, mas também podemos julgá-lo ao que ele é. 210

A principal missão do homem em sua vida é dar à Luz a si mesmo, é tornar-se aquilo que ele é potencialmente. 211

Compreender uma pessoa não equivale a justificá-la: quer dizer apenas que não a acusamos como se a gente fosse Deus ou um juiz colocado acima dela. 211

A atividade do homem face à força tem suas raízes nas próprias condições de sua existência. Como seres físicos, estamos sujeitos ao poder – ao poder da Natureza e o poder do homem. 218

A liberdade é a condição necessária à felicidade assim como à virtude – liberdade, não no sentido da possibilidade de fazer escolhas arbitrárias nem no de libertação das necessidades, porém liberdade de concretizar aquilo que a pessoa é potencialmente, de consumar a verdadeira natureza do homem conforme as leis da vida. 220


Nosso problema moral é a indiferença do homem para consigo mesmo. Repousa no fato de termos perdido o senso do significado e originalidade do indivíduo, de nos termos transformados em instrumentos para finalidades alheias  que nós mesmos e de nossos próprios poderes terem-se tornado estranho para nós mesmos. Nós e o nosso próximo convertemo-nos em coisas. O resultado é que nos sentimos inermes e desprezamo-nos por nossa impotência. Como não temos confiança em nosso próprio poder, não temos fé no homem nem em nós, nem tampouco no que pode ser criado por nossos próprios poderes (...). Somos um rebanho que acredita que o caminho que estamos seguindo deve ir dar em algum lugar já que todos os demais o seguem. Estamos no escuro e nossa coragem ainda não esmoreceu porque ouvimos todos os outros assobiando como nós. 220-221

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

sobre educar filhos


Este post é apenas um parênteses aqui.

Obviamente que não podemos nos intrometer na educação do filho alheio. Aqui só quero discutir sobre isso, já que tenho um blog e temos liberdade de opinar.

Sou muito observadora, como disse em um outro post. E essa minha mania de observar, me fez mudar muitos pontos de vista e até de comportamento. Eu via nos outros, o que eu fazia de errado; então, pela observação, compreendi que não eram comportamentos saudáveis.

Por isso que observar tudo o que acontece ao redor, te ensina muito sobre a vida, comportamento e enfim.

Fico triste ao observar que muitos pais não estão preparados para aquela "profissão", não passaram por uma "escola" e nem almejar passar por uma. E muitas vezes tem mais de um filho, e não aprende com os erros do primeiro.

É claro que acho que pais devem se preparar para ter e educar os filhos. Não só psicologicamente, mas em questão de educação de vida mesmo. E sei que muitos pais tem filhos sem terem se planejado para isso. Mas é importante que busquem isso.

Aprendi muito com a educação dos meus pais. Não porque eles foram bons, ou perfeitos. Mas justamente pelo contrário. Eles erraram muito. Felizmente eu aprendi muito com os erros e acertos deles. Mas também isso não foi o suficiente. Ao observar outros pais, e comportamentos dos filhos, aprendi muito mais. E claro que li sobre isso por aí.

Digo isso porque, vem e volta penso em ter filho. E sei como quero educá-lo. É claro que muitas coisas mudam ao longo da vida. Que nada é exato, nada acontece exatamente como a gente espera. Mas é muito importante que estejamos preparados psicologicamente e que procuremos saber como educar da maneira mais correta possível para que aquela criatura; se torne um adulto independente, com valores, com responsabilidades.

Conheço muitas crianças que tem uma educação muito errado, que tem comportamentos muito desagradáveis (como levantar a voz aos pais), que tem hábitos errados e acham certos (como comer em cima da cama ou do sofá assistindo TV) e entre outros. E sei que muitas dessas crianças e pais vão sofrer futuramente. Se já tem hábitos e comportamentos desagradáveis, imaginem quando se tornarem adolescentes com os nervos "à flor da pele". Imaginem se esses pais vão suportar os filhos. E imaginem como esses filhos vão encarar a sociedade e as responsabilidades. E quais são os conhecimentos que vão repassar para os filhos.

É preocupante, mas é fora de si. Ninguém se mete na educação do filho alheio. Mas, acredito que melhor que tentar algo com os pais, é (tentar) colocar alguma semente na própria criança, explicando as consequências de seus atos.

Essa foi apenas uma reflexão e, posso dizer, um desabafo sobre o assunto.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Mentes Insaciáveis - sobre transtornos alimentares


Este livro de Ana Beatriz Barbosa Silva fala sobre transtornos alimentares como anorexia, bulimia, compulsão alimentar, obesidade e etc.

Do ponto de vista psicológico, a autora apresenta essas doenças que são comuns, principalmente nas meninas, e que infelizmente não é debatido e percebido na sociedade.

Não concordo 100% do seu ponto de vista no início do livro, sobre o que leva as meninas a buscarem métodos não saudáveis para emagrecer. Sobre a mídia televisiva e impressa serem as maiores vilãs dessas decisões precipitadas. Acredito, em minha opinião, que há diversos outros motivos e que a mídia é apenas um fator, não um princípio.

Eu, pessoalmente, tive TA numa fase da minha vida e o que me levou a isso foram fatores que aconteciam próximo a mim (não a mídia). Por exemplo: sofrer assédio quando criança, ouvir comentários como "que sorte você tem coxas grossas" (como se fosse uma qualidade), e, finalmente, ter uma mãe a te criticar e controlar.

Obviamente que agradeço a preocupação da minha mãe, pois, se não fosse ela hoje eu seria obesa. Sim, desde criança fiz reeducação alimentar e sempre pratiquei esportes.

Os comentários, principalmente dos familiares, me fizeram tomar uma decisão drástica: parar de comer e fazer muitos exercícios. O meu pai, cuja família não tem tendência a engordar, sempre criticou pessoas fora do peso normal. Ele tem essa imagem de que todos deveriam ser magros. Isso mostra sua ignorância sobre genética.

Bom, nesta época eu emagreci 10kg em um mês. Tinha medo de desmaiar no caminho do colégio. E desenvolvi vício em cigarro, paralelamente. O vício me fez perder o apetite e a fome. Também não praticava exercícios, obviamente. Pois se praticasse, deveria comer normal.

A boa notícia é que parei de fumar há mais de 5 anos e, por conta disso, engordei muito. Hoje faço acompanhamento com uma nutricionista e faço academia.

Enfim. Voltando ao livro...

A autora quebra vários paradigmas. E, por este motivo, eu recomendo a leitura para as pessoas que querem emagrecer. Muitas anas (anoréxicas) e mias (bulímicas), acreditam em vários mitos. E também muitas delas tem consciência do que fazem, mas fazem mesmo assim, atrás de um corpo perfeito em curto prazo.

Ana Beatriz lista várias doenças que podem vir com a anorexia e a bulimia, como consequência. Há vários tópicos também sobre os transtornos que são temporários (aqueles que chegam perto do verão, ou perto da formatura e etc). Além disso, sobre a compulsão alimentar. O que leva uma pessoa a ingerir uma quantidade muito alta de calorias - ela lista os vários motivos.

Entender esses motivos é que é muito importante para quem sofre desses transtornos, pois fica mais fácil de evitá-los, ou de buscar meios para evitá-los.

Mas o assunto que eu achei muitíssimo importante neste livro (que aparece já no final), é a questão da obesidade infantil. Primeiro ela argumenta sobre a obesidade ser uma doença e também explica que nem sempre pessoas muito magras são anoréxicas e nem que pessoas gordas não são saudáveis. Antes de tudo existe uma questão genética, além de doenças físicas que te fazem emagrecer ou engordar, como a tireoide, por exemplo.

Ela explica a importância de uma criança ter hábitos saudáveis desde cedo, e como os pais devem estar presentes neste processo. Acontece algo dentro do nosso organismo que, quando consumimos muita quantidade calórica na infância (quando as células ainda estão se formando), há uma probabilidade de uma produção maior que a normal, de células que retem gordura. Isso significa que muito provavelmente, uma criança obesa, será obesa pro resto da vida e terá muitas dificuldades em emagrecer, além de ter muito cedo problemas de colesterol e diabetes.

Acho esse assunto extremamente importante. Observo muito as pessoas ao meu redor e fico muito triste quando vejo uma criança obesa (com pais igualmente obesos) incentivando um hábito que pode custar a vida.

É um livro interessantíssimo, muito fácil de ler, muito acessível a todos os leitores. Contem perguntas e respostas, ou seja, muito didático.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

videoclipes by david dean burkhart II



Never Saw the Point, música da banda indie-pop de Manhattan chamada Cults. A banda se formou no ano de 2010 publicando o EP Cults 7" e tem apenas dois integrantes: Madeline Follin e Brian Oblivion, com mais integrantes que tocam ao vivo.

As cenas que aparecem no videoclipe são do filme The Last Picture Show / A Última Sessão de Cinema (1971) do diretor americano Peter Bogdanovich.



Música Streetlight do álbum We Must Become the Pitiless Censors of Ourselves do músico John Maus. O americano começou a sua carreira em 1999.

Já as cenas são do filme Ms. 45 / Sedução e Vingança (1981) dirigido pelo norte-americano Abel Ferrara.



As mulheres dançando em total sincronia com a música. Mais uma edição incrível.
Música Miss You do álbum In the Grace of Your Love da banda norte-americana The Rapture.
O legal desses videoclipes é que traz à tona filmes antigos, clássicos, em forma de clipes.

As cenas são do filme Killer Workout (1987) do diretor americano David A. Prior, que morreu em agosto de 2015.

videoclipes by david dean burkhart I

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

atualização do projeto 55 plantas


Estamos da sétima semana do ano ainda. Estou amando fazer o projeto 55 plantas.
Plantei pimenta, pimentão, flamboyant e plantei feijão. Mas começou a brotar outra semente no mesmo vaso e o feijão morreu. E eu não tenho ideia de qual semente eu tinha colocado lá.
Outras ainda estão brotando. Plantei mais flamboyant-mirim.

Estou muito empolgada. Minha mãe é quem não está gostando muito. Ela quer que eu compre um vaso maior pra colocar todas juntas. Eu preciso comprar vasos maiores pra colocar cada uma delas, pois se eu colocar todas juntas, algumas vão acabar morrendo.

A minha cóleus precisa de um vaso maior, senão ela morre. Essa semana vou tentar comprar dois vasos maiores. Uma também para a flamboyant-mirim que cresce rápido.

Por morar em apartamento, em algum momento não vou ter muito espaço. Aí eu preciso comprar aquele tripé de vasos... não sei o nome, rs

Só vou voltar para atualizar sobre o projeto em março, mais ou menos quando tiver na semana 12. Espero que até lá as plantas continuem saudáveis.

+ posts sobre plantas e projeto 55 plantas

sábado, 11 de fevereiro de 2017

momentos do passado - 2014



Todos esses momentos são de 2014.
Em 2014 eu estava cursando jornalismo e cobrindo o Maracatu Nação Pernambuco no carnaval.
Também foi o ano de estréia do filme O Hobbit.
Foi o ano em que eu fiz macarronada ao molho branco para os meus pais.
Foi o ano em que eu entrevistei, junto com a minha colega Marília, a esportista Yane Marques. Tirei 10 como nota pela entrevista.
Foi o ano em que li o Oceano no Fim do Caminho, Bonsai e Feliz Ano Velho.
Pedrosa ainda estava vivo.
Foi o ano em que eu viajei com meus amigos.
E minha mãe fez festa de aniversário com o tema Halloween (aliás, a ideia foi minha).

Eu encontrei esses mini vídeos de 1 segundo na minha pasta de "vídeos". Nem me lembrava mais.
Bom que as recordações do ano estão aí pra ver quando der vontade.
Minha memória é tão ruim que estou pensando em fazer o mesmo em 2016.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

mini flamboyant


Esta é uma flamboyant mirim que plantei na minha varanda. E graças ao meu pai que estava passando aqui na rua, viu uma árvore linda e pegou as sementes pra mim.

O seu nome é Caesalpinia Pulcherrima e é uma leguminosa (família Fabaceae).
Ela é uma árvore nativa da América Central.

É indicada para arborização urbana por ser de pequeno porte e possuir raiz pivotante (raiz primária) onde a raiz cresce verticalmente para baixo, assim como a cenoura.

É de crescimento rápido, o que comprovei ao plantar duas delas. Plantei outras sementes que estavam na segunda e terceira semente sem ainda brotarem, e quando plantei a mini flamboyant, ela germinou na mesma semana.

Na minha pesquisa descobri que existe a flamboyant mirim e também a flamboyant, onde a árvore é maior. É da mesma família (Fabaceae), uma leguminosa, mas de uma espécie diferente - a Delonix Regia.

"É nativa da ilha de Madagascar, tendo-se em seguida espalhado pela zona tropical da África continental, sendo posteriormente, por sua beleza, levada a outros continentes, como a Europa e as Américas. Por sua beleza, é uma das plantas mais usadas com fins ornamentais em regiões tropicais e subtropicais de todo o mundo". [wikipedia]

A planta foi descoberta na ilha de Madagascar por um botânico francês em 1824, por isso o nome francês (do latim flammare) que significa incendiar (por possuir flores vermelho vivo).


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

trechos O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde


Eu não ia comentar sobre O Retrato de Dorian Gray, mas como registrei essas partes no twitter, resolvi registrar aqui também. Essa edição é em PDF que eu consegui baixar para o meu computador e foi por conta do Torneio MLV que eu o escolhi para ler.


Um dos desafios da Maratona Literária de Verão era ler um livro com personagem LGBT. Pedi dicas em um dos grupos que foram formados para o torneio e então me indicaram para ler este livro do Oscar Wilde. 

 

Daí eu descobri que este livro foi censurado, e pelo que eu entendi, foi apenas uma frase que foi retirada em algumas edições.
Porém eu não sei se eu li muito rápido, mas não achei nenhuma parte que indicasse a homossexualidade do personagem, ou eu li uma edição censurada.


Enfim, só passei pra deixar registradas essas partes das quais representam a escrita deste livro maravilhoso.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

videoclipes by david dean burkhart I



Eu descobri esse canal no youtube totalmente por acaso.
Me apaixonei pelos videoclipes.
David Dean Burkhart (este deve ser seu nome), coleta imagens antigas e faz edições para músicas que ainda não tem videoclipes, em sua maioria.



Seu amigo colecionava video cassetes de filmes e registros e a partir de então David começou a utilizar essas imagens para editar excelentes videoclipes.



Pretendo postar os que eu considero melhores.
Não estou aqui recomendando músicas, e sim os videoclipes.
;)