domingo, 23 de novembro de 2014

Entrevista: A paixão pela década de 60

A entrevista a seguir foi realizada para uma matéria (que já está pronta) sobre nostalgia. Essa matéria faz parte de uma edição do jornal da minha faculdade com o tema Mudança. Quando tudo ficar disponível, vou disponibilizar aqui no blog.

A ideia surgiu de repente quando lembrei do filme Meia Noite em Paris de Woody Allen onde o protagonista é transportado para a década de 1920 quando é badalado meia noite. Essa é a década em que o personagem considera a Idade de Ouro, ou seja, a época de maior ascensão.

Além dessa, foi realizada outras entrevistas, mas neste post só tem a de Krysalis Pires. Ela tem 24 anos, é professora de educação física e auxiliar administrativo. Krys é apaixonada pela década de 1960.
Arquivo Pessoal
Você mudou seu visual quando descobriu o seu fascínio pela década?
Sim, de certo modo a forma com que me visto mudou um pouco. Já me vestia, com alguns acessórios ou alguma roupa que caracterizava a cena da época, mas depois de começar a gostar mais e estudar sobre, comecei a procurar por roupas que caracterizam esta época.

O que você mudaria mais para ficar mais perto dessa década?
Os móveis da minha casa. Sou apaixonada pelas casas e objetos da época. Acredito que se a minha casa possuísse essa características seria como se eu voltasse no tempo toda vez que eu entrasse nela. Como se vivesse naquele tempo.

Como você adquiriu esse fascínio?
Já gostava das músicas e do cinema, isso já ajudou bastante. Mas o meu interesse surgiu após ir a um evento de cultura dos anos 60, a partir daí eu comecei a procurar mais sobre o assunto.

Pra você, o que mais caracterizou a década?
O que mais caracterizou a época foi a chegada do rock’nroll com Elvis Presley, que foi o maior símbolo da história. Os jovens mudaram sua forma de se vestir com jaquetas de couro, topetes, lambretas que demostrava certa rebeldia. E as mulheres, abandonando a saia comportada para calças como um grito de liberdade. Todo esse movimento jovem em busca de liberdade é o que mais marca a época.
Arquivo Pessoal
Quais foram as mudanças que aconteceram?
Com todo esse movimento em busca da liberdade, uma mudança notável foi na área da moda, deixou de se tornar uma moda única. As roupas mudaram radicalmente. Isso se dá a este processo onde a roupa estava diretamente ligada ao comportamento.

Quais foram as mudanças físicas e psicológicas que aconteceram?
Avanço na área da comunicação, mudanças políticas, busca por liberdade de expressão e liberdade sexual, mulheres buscando igualdade de direitos, mudança de hábitos, vestimenta, música, cinema, arte, chegada do homem a lua... Enfim são diversas mudanças que ocorrerão na época que mudou todo o modo de agir e pensar de uma sociedade.

Você ficou fascinada pela década porque ela condizia com a sua personalidade ou houve uma mudança após a descoberta da década?
Identifiquei-me com a época pois mostrava um pouco do que eu sou. Principalmente pelo meu gosto musical e pelo cinema e seus artistas como Elvis Presley, Johnny Cash, June Carter, Frank Sinatra, Marilyn Monroe, Audrey Hepburn, entre outros. O modo que eles viviam e suas histórias trouxeram fatos em que eu pude me identificar, fazendo o amor pela época crescer mais.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Compras na Feira de Livros


Fui para uma feira de livros num shopping em agosto e comprei alguns livros por lá num preço massa.
O nome do evento é Cia Aprender e eles voltaram com a feira agora em outro local (justamente na minha universidade). Mas ainda bem que eu não comprei mais nenhum.

Os livros estavam num preço acessível e divididos em estantes por valor. O preço varia de R$5 até R$25. Então super vale à pena.



Comprei O Melhor do Inferno de Christiane Tassis, um livro que eu não conheço e estava por cinco reais. A edição está bem bonita e a autora é brasileira e esse livro faz parte de uma coleção chamada Ponta de Lança justamente para dar lugar a novos escritores. Na orelha, Maria Esther Maciel conta que este romance se confunde com filme. Fiquei curiosa. A história só lendo pra saber.



Agatha Christie não é novidade pra ninguém. Essa nova tirada da Globo de Bolso vem com novos títulos para os clássicos da autora. E Não Sobrou Nenhum foi publicado anteriormente com o famoso título O Caso dos Dez Negrinhos. Não sei o motivo da troca (não abri o saquinho). Esse livro me custou apenas R$7,90.



Outra Volta do Parafuso é um clássico e eu amei essa capa. Morro de vontade de ler autores como Henry James e é importante ter essa experiência. Essa edição é da Abril Coleções. Ela é bonita e econômica ao mesmo tempo. Papel jornal não me agrada, mas não resisti. Se eu não me engano o livro custou R$12.


Um Homem Célebre - Machado Recriado já está dizendo no título do que se trata. São 9 contos, 1 peça e alguns desenhos recriadas a partir de obras de Machado de Assis. Quem participa dessa brincadeira é Alberto Martins, Alberto Mussa, Carola Saavedra, Moacyr Scliar, Bruno Zeni, Lourenço Mutarelli, Cristovão Tezza, Mariana Veríssimo, Sérgio Augusto de Andrade e Felipe Hirsch. Me custou R$15.


A Secreta Carta das Gotas d'Água aos Humanos de José Sander comprei aleatoriamente. Não lembro quanto custou (acho que R$10). A capa não é nada atraente, mas o assunto é pertinente. Não sei se vou gostar. Mas com certeza vai me servir de muitas informações.

Eu gostaria de ter feito muito mais compras de livros em feiras, sebos e livrarias. Mas infelizmente eu sou uma pobre mortal sem dinheiro que precisa economizar. Por isso que eu aproveitei a oportunidade dessa feira que estava com preços super acessíveis.