quarta-feira, 30 de julho de 2014

5 perfis no twitter para quem curte fotografia

1. HistoryInPics
@HistoryInPics

"Compartilhando das mais poderosas e divertidas fotografias históricas já tomadas"
Tem várias fotografias antigas e fotografias clássicas de personalidades mundiais e acontecimentos. Todas contém legendas e o ano em que foi tirada. A maioria das fotos, claro, são em preto em branco. Não porque não existia o filme colorido, mas porque era menos aceita e bem mais cara (na verdade esse fator econômico influenciou muito). Os filmes preto e branco podem ser revelados em casa com químicas fáceis de serem encontradas e mais simples de serem manipuladas.

2. Comedy Photos
@RealPhotoBombs

Se você está procurando fotos e prints engraçados, esse é o twitter. Não conheço outro com o mesmo propósito. Se você conhecer, por favor, compartilhe. O problema da maioria das fotos compartilhadas no twitter é que as fotos são cortadas quando elas estão no tamanho maiores da capacidade do espaço do post. Então isso acaba prejudicando o entendimento de algumas fotos onde você precisa clicar no post para vê-lo completamente. Fora isso, o twitter é bom pra quem curte retuitar coisas engraçadas.

3. Healthy Food Photos
@StayFitFood

Como o nome já diz, são fotos de comidas saudáveis. E eu confesso que, apesar de não consumir comidas saudáveis, eu adoro ver. Não gosto de ver fotos de comidas calóricas. E esse twitter é ótimo para quem está nessa fase de comer comidas saudáveis para emagrecer ou porque quer ficar com o corpo bonito ou porque gosta mesmo, oras.

4. Nat Geo Photography
@NatGeoPhotos

Já ouviu falar em alguém que não gostasse das fotos da revista National Geographic? Então, nem eu. Se já, essa pessoa não merece o seu respeito, rs. Está certo de que, para você ver a maioria das fotos nesse twitter, é preciso abrir os links. E isso não é muito prático, admito, mas os links trazem várias outras fotos maravilhosas. Então vale à pena. E se você quiser ver as fotos pelo twitter mesmo, é só abrir uma foto e sair passando e então você vê as outras como em um álbum.

5. Magnum Photos
@MagnumPhotos

Sem palavras para falar sobre a agência francesa Magnum. Surgiu em 1947 por Robert Capa e seus amigos, incluindo Henri Cartier Bresson, quer mais?


* * *

Se você conhece outro perfil de fotografias muito bom, deixe nos comentários

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Muito blues em Black Snake Moan (2006)


A música muitas vezes é protagonista em obras cinematográficas e, para mim, esse foi o caso de Entre o Céu e o Inferno (Black Snake Moan) que trás uma trilha sonora recheada de Blues - um estilo musical que "se fundamenta no uso de notas tocadas ou cantadas numa frequência baixa, com fins expressivos, evitando notas da escala maior, utilizando sempre uma estrutura repetitiva" (Wikipedia).

Inclusive o nome do filme, Black Snake Moan deriva de uma canção de blues.

O longa se trata de um drama que envolve um ex-guitarrista de blues do Mississipi e uma mulher que foi encontrada por ele espancada na beira da estrada. Lazarus vai tentar curar Rae de sua ninfomania adquirida após ter sido estuprada pelo próprio pai durante a sua infância.

Lazarus é interpretado por Samuel Jackson e Rae é interpretada por Christina Ricci. O namorado de Rae, Ronnie, é interpretado pelo cantor e ator Justin Timberlake.

O ator Samuel Jackson teve de aprender a tocar blues de verdade para tocar ao longo do filme e todas as músicas derivam do repertório de R. L. Burnside. Ricci usou realmente as correntes que foram utilizadas para curar a doença e abstinência da personagem. Além de algumas roupas e acessórios de sua personagem terem saído do armário da própria atriz. (Wikipedia)

Na playlist eu tentei manter as versões originais interpretadas pelo ator Samuel Jackson. Não quis me ater a uma playlist de uma trilha sonora e sim numa trilha de muito blues (o que não quer dizer que só tenha blues na playlist).

PS: A última música, a This little light of mine foi cantada pela atriz Christina Ricci em uma cena.



Lista da trilha sonora original
Trailer do filme
Blues (wiki)
Fonte (wiki)
Vídeo que eu não incluí mas que contem várias cenas do filme

sábado, 12 de julho de 2014

Demian, a história de uma juventude - Interpretação pessoal

O texto a seguir é uma interpretação pessoal da obra "Demian" escrita por Hermann Hesse em 1917. Esse texto fez parte do debate do "clube do livro 2 caras" - grupo lá no Skoob e ele foi escolhido por mim, por sinal. A obra foi selecionada pela Revista Bula como umas das 10 obras que vão mudar a sua vida. 
É importante que você leia a obra para entender. Todos os links úteis estão no final desse post.


Acredito que a intenção de Hermann Hesse nesse romance era o de exprimir as reflexões dos jovens naquela época. Sobre a liberdade, as regras, D’us, existencialismo. E acho que ele conseguiu fazer isso em várias etapas.

A primeira foi a do reconhecimento quando Sinclair quer impressionar os seus ‘amigos’ e acaba se dando mal. E também o de experimentar algo proibido. E, por ser criança, em sua pura inocência, acaba se entregando às ameaças de Kromer e criando sentimentos que só um adulto em apuros teria.
“Muitos se recusarão a acreditar que uma criança de onze anos incompletos possa sentir dessa maneira. Não é para esses que escrevo, mas para aqueles que conhecem melhor o ser humano”.
Esse sentimento que em algum momento a criança irá sentir um dia pode ficar marcado e poderá influenciar em outras etapas da vida. Acho que o sentimento de insegurança e impotência e dependência façam parte disso. A falta de reconhecimento da própria existência, o querer ser quem não é nos pode levar a caminhos solitários.

A questão de negar a existência do Eterno também se torna presente em muitos jovens e foi assim com Sinclair. Mas um ser supremo deu lugar a outro e assim conheceu Abraxas, através de Demian. A negação da dualidade entre “luz e trevas”, “Deus e Diabo”, fez o jovem conhecer um deus mais homem, mais humano, sem dualidades e extremidades. Talvez fosse um escapismo de regras, responsabilidades e escolhas.

Para mim, Demian representa a busca insaciável pelo conhecimento. Mas quando se desprendeu dele, Sinclair encontrou um caminho desregrado da embriaguez. Quando encontrou Pistorius, o personagem que deu lugar à ausência de Demian. Demian suscitava nele interesse pelo conhecimento e pela reflexão. Mas só no fim Sinclair encontra sua autonomia intelectual. Quando Demian se vai, desaparece.


Sinclair teve de negar a educação que vivia em seu seio familiar para encontrar a sua própria educação e disciplina. É o que os jovens fazem. Mas ele tinha uma marca que o tornava especial, diferente dos outros.
E depois o orgulho de se sentir parte dos homens intelectuais, capazes de pensar, refletir e interpretar questionamentos da vida: 
“A descoberta de que o meu problema era um problema de todos os homens, um problema de toda a vida e todo pensamento, pairou sobre mim de súbito como uma sombra divina, e me senti penetrado de temeroso respeito ao perceber o quão profundamente minha própria vida e meu pensamento participavam da corrente eterna das grandes idéias”. 
E depois descobre um mundo de solidão e isolamento. Da qual posso dizer que é uma característica que a maioria dos intelectuais possuem quando não encontram a sabedoria e a plenitude.

"A ave sai do ovo, o ovo é o mundo.
Quem quiser nascer tem que destruir um mundo."

A minha interpretação era que a marca que Sinclair possuía (a marca de Caim) era um símbolo para a inclinação à sabedoria. Demian a busca, e Eva a sabedoria, a plenitude, a resposta para todas as perguntas.

Eu sempre acho que interpreto mal, até porque essa obra fez muito sentido na época. Apesar dela fazer sentido hoje, ela não tem idade. Mas a interpretação que deram na época fez mais sentido.

Fiquei por muito tempo pensando o que eu iria escrever desse livro. Ele não é fácil de se interpretar. Acredito que o próprio Hermann Hesse encontraria várias respostas e interpretações para ele. Vários sentidos.

Demian foi tão importante para Sinclair, assim como Gertrud foi importante para o protagonista. Como também foi assim em Sidarta. A aspiração de si sempre está no outro. Em um guia que tem alguma resposta que não se pode responder sozinho.


* * *



* Vale a pena comprá-lo. Está em algumas livrarias e inclusive, se você quiser mais barato, tem na Estante Virtual. A minha edição eu comprei lá.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

15 músicas que são diamantes para o ouvido

Sim, essa lista é da Revista Bula. No link você pode, além de ouvir a música, ler o comentário do autor da lista que é Rafael Teodoro (crítico de música). A lista compõe apenas músicas brasileiras. Eis o que Rafael diz na matéria:
"A lista vai do samba ao rock, da valsa à música sertaneja. Finalmente, as composições não estão dispostas numa ordem de valor artístico intrínseco, de modo que a primeira, de acordo com a minha escala de julgamento, não é melhor do que a última. Apenas são composições da música popular brasileira de que gosto e a respeito das quais decidi escrever breves comentários, indicando sua ouvida ao leitor da Revista Bula. Afinal, boas músicas, da mesma maneira que bons livros e bons filmes, são diamantes para o cérebro".
E para facilitar, eu criei uma playlist no youtube para que todos tenham acesso a essas músicas brasileiras. A lista é ótima, eu mesma que não ouço muito música popular brasileira, gostei bastante da seleção. Algumas eu nem lembrava de ter escutado.

Desfrutem!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Trilha sonora literária: 10 músicas que foram citadas em livros


Selecionei algumas músicas que foram citadas em livros.

Acho digno quando uma obra faz referências de outras obras. Sempre observei isso quando eu lia. Algumas referências eu deixava passar e outras eu ia lá pesquisar. Algumas me indicaram a próxima obra que eu iria ler. E sim, já houve referência de música que eu fui buscar no youtube.

Mas o insight para esse post foi enquanto eu estava lendo O Exorcista de William Peter Blatty. A referência da música Red River Valley veio do personagem do padre Damien Karras como sua música favorita. Não tinha me dado conta de que já era a terceira referência musical do livro. Então, tentei buscar na memória outras referências musicais e infelizmente veio poucas. Mas eu pesquisei.... Pedi ajuda no twitter e eis que fui ajudada por duas pessoas. Uma delas me deu um link de uma matéria interessante acerca da música Hey Jude como música citada com maior frequência em obras literárias. (link)

Só quero mencionar que as obras Eleanor and Park, As Vantagens de ser Invisível, O Pacto e Deixe a Inglaterra Tremer tem muito mais músicas citadas. Não deixei aqui a playlist de Deixe a Inglaterra Tremer porque não consegui entrar no 8tracks, mas deixo <aqui> o de As Vantagens de Ser Invisível.

Abaixo tem uma lista com o nome da música, autor e nome da obra em que houve a referência. Quem conhecer mais referências bacanas, por favor, deixar nos comentários, compartilhe e talvez surgirá um 2.0 desse post.

  1. Love Will Tear Us Apart - Joy Division - Eleanor and Park - Rainbow Rowell (mais)
  2. Norwegian Wood - Beatles - Norwegian Wood - Haruki Murakami
  3. Americanos - Caetano Veloso - Mundo Afora - Mel Lisboa
  4. Heroes - David Bowie - As Vantagens de Ser Invisível - Stephen Chbosky
  5. If You Love Someone, Set Them Free - Sting - O Pacto - Joe Hill (mais)
  6. Till We Meet Again - Doris Day - O Exorcista - William Peter Blatty
  7. Red River Valley - Woody Guthrie - O Exorcista - William Peter Blatty
  8. Three O’Clock in the Morning - Paul Whiteman - O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
  9. Beale Street Blues - Louis Amstrong - O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
  10. Halah - Mazzy Star - Deixe a Inglaterra Tremer - Sávio Lopes