sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

RADIO - A elegância e o romantismo de Tindersticks

O mundo pequeno das modas, tendências e saudosismos, deve ser esquecido em algum momento. Conhecer uma banda como Tindersticks é perguntar-se "Como eu não escutei isso antes?". Tal banda pode passar a ser aquela que você vai escutar durante um bom tempo. Como acontece com Elvis, Chuck Berry ou Billie Holiday.

Mas Tindersticks não é o tipo de banda que se escolhe aleatoriamente em um dia ensolarado de domingo. Tindersticks é de momentos. Momentos especiais e únicos. Como o clichê jantar à luz de velas com vinho tinto. Ou apenas um dia estrelado tomando uma Stella Artois fumando algum cigarro slim.



Mesmo que quem vos escreve não entende nada de inglês, já foi percebido erros nas traduções encontradas nas letras de Tindersticks. Tomando como base, inicialmente, dois sites de letras mais conhecidos: Vagalume e Letras. Nenhum se salva. O menos ruim é o Letras. De qualquer forma Tindersticks tem um público seleto, a letra é mais forte do que o instrumento.



"She's my oblivion it's to her I run", primeira estrofe da música My Oblivion do álbum Waiting for the Moon já mostra a complexidade na hora da tradução: "Ela é o meu esquecimento - é com ela eu corro" (tradução do Vagalume). A tradução mais aceitável seria "Ela é meu desapego, é com ela que eu me refugio".
Pior são as estrofes que se seguem: "Out on the balcony - she waits for me / Out on the boundary - she smiles". Em Letras está: "Fora da sacada- ela me espera / Fora do limite ela sorri". Tradução aceitável: "Na frente da varanda - ela me aguarda / Na frente da fronteira - ela sorri".

Whatever, talvez você que saiba inglês tenha uma tradução mais apurada. E dominando o inglês já se tem ideia da riqueza na letra da banda inglesa, formada em 1991 por Stuart Staples, o vocalista. Se você gosta de jazz, indie, soul ou só romance e elegância, Tindersticks é a banda certa.



A música Another Night In é associado ao filme P&B francês em que Vanessa Paradis, ex esposa de Johnny Depp, atua. A Mulher e o Atirador de Facas foi um filme com vários prêmios e indicações.

A banda de 10 álbuns foi muito bem aceita pelo público, e, com isso, levou a banda a fazer apresentações ao vivo com orquestra e tudo que tem direito uma banda que tem merecimento desde o seu primeiro álbum.

Agora só falta conhecer:

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

FLASH - Para ler de bobeira: Nelson Rodrigues e Joy Division

Aqui estão algumas publicações que eu li há uns 2 meses atrás e eu fiquei de publicar aqui. Mas fiquei sem tempo e é por isso que não lembro de tudo sobre as publicações e infelizmente não tive tempo de reler. Sei que guardei esses links aqui porque me agradaram bastante e queria compartilhar. Por isso, não precisa nem ler o que eu escrevi. Clique nas imagens e leia as publicações indicadas. Não vai ser perda de tempo. Garanto.

Para quem gosta de Nelson Rodrigues, ou para quem não conhece bem o trabalho, o perfil dele - recomendo o especial que o Diario de Pernambuco publicou em um formato bastante interessante para nós, internautas, e, usuários do Facebook. Ele é bem multimídia, tem vídeo, texto, fotos e, enfim, só indo lá e experimentar a leitura diferente e interessante sobre nosso querido Nelson em seu centenário. Inclusive, foi uma das melhores publicações em jornal impresso que já vi. Quem não viu perdeu a coisa mais linda em um jornal impresso.


Para quem gosta de ler sobre bandas, eu vou recomendar duas publicações (de autores diferentes) sobre o Joy Division e Ian Curtis. Eu gostei dos dois textos. O Obvious fez mais de duas publicações sobre a tal banda pós-punk, mas, eu recomendo esses dois - eu, como admiradora do Joy Division. Não é admiradora para não dizer fã, mas admiradora porque eu não sou fanática; - por nenhuma banda. E, por falar nisso, em uma das, ou nas duas, tem indicações de leitura. O que é interessante para quem gosta de ler e quem gosta de conhecer e se inteirar mais.


A segunda publicação é sobre o álbum que eu mais gosto (e também o mais "pop" para o público atual). Eu tenho aquela camisa "clichê" do Unknown Pleasures. Na época era bem raro ver/ter essa camisa. MAS, depois de ter visto essa camisa com "The Smiths" impressas no lugar de "Joy Division" na Praça Maxambomba, em Olinda. E ter visto várias outras "pessoas" usando a camisa como algo sei lá, pop? Enfim. É difícil, perde a "credibilidade" de quem realmente gosta do álbum, fazer o que né? Mas essa camisa é o meu xodó. Muito amor, vou usar sempre s2
E recado: parem de usar, deixa eu usar sozinha porque eu escuto quase diariamente e realmente gosto tá? x]
SORRY
Mas antes de usar a camisa, leia essa publicação tá? Clique na imagem a seguir: