domingo, 28 de dezembro de 2014

O segredo dos efeitos sonoros se chama Foley


Você provavelmente já viu algum vídeo desses onde se usa o som das coisas para fazer música.

Na verdade tudo isso começou com as novelas na rádio que, para criar uma cena "real" na imaginação do ouvinte precisava-se dos efeitos sonoros. Hoje em dia, isto se usa muito no cinema e se chama “foley”.

Os efeitos sonoros que baixamos na internet para usar em algum vídeo ou vinheta veio de efeitos sonoros de objetos mais inusitados (ou até reais) que foram gravadas e adicionadas ao filme na pós-produção para melhorar a qualidade do áudio.

Os artistas do Foley são tão bons que ninguém imagina que aquele som não venha daquela imagem (como você pode ver no vídeo lá embaixo). Os artistas utilizam outros objetos para capturarem aquilo que você vê no filme ou vídeo.

Outro vídeo produzido pela GoPro que também utilizaram foley é o Why Play Basketball? 

Um filme interessante que retrata bem essa profissão é Céu de Lisboa (1994). O personagem Philip é técnico de som e viaja para Lisboa a pedido de seu amigo cineasta Fritz. Mas ao chegar lá, o amigo desapareceu. Enquanto isso, ele sai pela cidade capturando o som de tudo que lhe chama atenção. Outro filme em que você pode ver esse profissional é o Seabiscuit (2003) em um personagem interpretado por William Macy.

Outra referência muito boa sobre o uso do foley é o documentário Funky Monks produzido por Gavin Bowden onde apresenta a banda Red Hot Chili Peppers gravando muitas das faixas do álbum e outras faixas que foram lançadas anos depois.

O álbum produzido por Rick Rubin foi gravado numa mansão famosa e assombrada de Los Angeles, a "The Mansion", construída em 1918. Uma equipe foi contratada para montar um estúdio de gravação e outros equipamentos necessários.

Eles utilizaram vários objetos como canos e objetos de metal para fazer sons e utilizar isso nas músicas.

E, um vídeo que está nos extras do filme Phantom sobre como o compositor Jeff Rona compôs a trilha sonora usando um submarino (que é o cenário principal do longa). How Composer Jeff Rona Used a Submarine to Make Music for 'Phantom'


No vídeo abaixo você vai ver que até repolho foi usado para criar o som de um murro.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Entrevista: Cláudio Barreto sobre as décadas de 1960 e 70

Mais uma entrevista que fiz para uma matéria sobre nostalgia. Esta entrevista é com Cláudio Barreto Ferreira de 64 anos, servidor público federal que se interessa pelas décadas de 1960 e 70.
"na praia de Olinda, Bairro Novo, por volta de 1967, 1968, em que eu estava usando uma camiseta "Hyppie", com os dizeres: "Make love, not war", que era o principal lema contra a Guerra do Vietnã".
"Além da idade (pré-adolescência e adolescência), sem preocupações com trabalho, só fazia estudar, jogar futebol na rua (rua de areia, sem calçamento/asfalto com pouquíssimo movimento de carro; (a gente parava o jogo para deixar passar algum carro de tempos em tempos), brincar de vários tipos de brincadeiras, tais como: prendeu-soltou (pique ou pega-pega), carniça ou pula-sela, chupar manga trepado na mangueira, fazer balanço de corda nos galhos das mangueiras, pulando de cima do muro para alcançar e se pendurar na corda como se fosse Tarzã,
Brincar carnaval na rua, acompanhando troças carnavalescas, como a troça do boneco gigante "Seu Malaquias", jogar água da torneira do jardim (forte jato d'água) nos carros que passavam pela avenida, e à noite, dançar no salão de visitas de casa, ao som das músicas de Capiba, Nelson Ferreira, além de marchinhas de carnavais anteriores, tudo reproduzido numa vitrola ou toca-discos ou passa-disco ou eletrola, com discos de 78 RPM e LPs (long play).
Nessa época, quando se falava em ladrão tratava-se de ladrão de galinhas, que pulavam os muros dos quintais para roubá-las durante a madrugada.
Não havia televisão, e à noitinha, após o jantar, as pessoas se reuniam em frente de casa para conversar, brincar de roda, marré-marré, passar anel, boca-de-forno, e outras inofensivas.
No São João, sempre eram feitas fogueiras com galhos caídos das mangueiras e madeiras velhas de móveis etc. Sempre havia um dinheirinho para comprar alguns fogos de artifício mais baratos e fazer bolos de milho, canjica, pamonha, pé-de-moleque etc.
A turma se reunia para dançar quadrilha ou simplesmente forrozar até não aguentar mais de sono. As músicas também eram reproduzidas de LPs e discos de 78 RPM, em vitrolas automáticas ou não.
No Natal, sempre se recebia presente de Papai Noel, por mais simples que fosse, e se preparava uma ceia, mesmo sem muita sofisticação.
No período dos bailes de formatura, conseguia convites para participar em clubes como o Português, Náutico, Internacional ou Sport. Exigia-se traje formal, ou seja paletó e gravata. Então, muitas vezes era necessário algum amigo entrar primeiro e passar o paletó e a gravata pela cerca ou muro, fora das vistas dos porteiros para que os outros pudessem entrar no clube também, já que não era comum a gente possuir esse tipo de roupa.
Como eu havia recebido um terno para o casamento de minha irmã, estava livre dessas artimanhas. porém, como não tinha dinheiro, já que não trabalhava, só fazia dançar a noite toda, e quando sentia sede, pedia licença à garota com quem estava dançando e a conduzia para a mesa que ela estava ocupando com amigos(as) e/ou parentes, indo em seguida até o jardim do clube beber água na torneira (tempos felizes). 
Depois que foi comprado um aparelho de TV, acompanhei as apresentações dos programas de auditório da Jovem Guarda, que também marcou muito minha vida porque comecei a aprender a dançar (dança de salão de forma amadora, não profissional) por diletantismo".


uma Monark de 1965 [arquivo pessoal]

Como você descobriu o interesse por essas épocas?
Relembrando os momentos vividos naquele período, comparando com os anos posteriores.

Para você, o que mais caracterizou essas décadas?
A década de 60 foi caracterizada pelo movimento "hippie, guerra do Vietnã, assassinato do presidente dos Estados Unidos (John Kennedy), primeira viagem do homem à lua (1969), golpe de Estado no Brasil (1964), com implantação da ditadura militar, inauguração da primeira TV no Nordeste: TV Jornal do Commercio, canal 2 (1960).

O interesse por essas décadas te fez mudar alguma aspecto da sua vida? Alguma mudança no visual ou psicologicamente?
A década de 60 foi para mim, particularmente, a década de descobrimentos com a chegada da puberdade, começo das paqueras, preocupação com a maneira de me vestir, ou seja, procurava usar roupas da moda, como calças boca-de-sino, saint-tropez, camisas coloridas etc. comecei a experimentar cigarro para parecer adulto, mais velho, mais maduro, vício que foi se instalando e permaneceu durante uns vinte anos. Em meados de 1968 saí do Estado pela primeira vez para morar no Rio de Janeiro.
Perto de completar 18 anos, foi um fato muito marcante e que provocou em mim grandes mudanças psicológicas, pois foi também o período de incorporação ao Exército, onde servi durante pouco mais de onze meses e fiquei morando "de favor" na casa da família de um irmão mais velho.

foto tirada em 1963, no Parque 13 de Maio, numa exposição do Exército. [aquivo pessoal]
O que você mudaria mais para ficar mais perto dessa década?
Cheguei a um patamar da vida em que o passado é apenas para ser lembrado no intuito de se evitar cometer os mesmos erros, e manter ou repetir os acertos.
Quanto a mudar alguma coisa, já mudei ou evitei algumas mudanças, tais como: evito possuir telefone celular, não tenho carro (também não ando de "carona" ou "bigu" com outras pessoas), não frequento as salas de cinema atuais (muito ruins comparadas com as da década em questão).

Você ficou fascinado pela década porque ela condizia com a sua personalidade ou houve uma mudança após a descoberta da década?
Acredito que fui sendo levado pela onda, sem pensar a respeito, sem nenhum senso crítico, quase totalmente alienado pelos acontecimentos políticos, como a renúncia de Jânio Quadros da Presidência da República com a devida passagem do cargo para o vice-presidente João Goulart (Jango), afastado pelo golpe militar.
Penso que minha referência à década de 60 se deve principalmente pela minha idade na época. Idade de descobertas e de começo do sentimento de vida, de um pouco de independência não financeira, mas de locomoção e de escolhas diversas, além de uma liberdade permitida por meus pais e que procuro manter nos dias de hoje comigo mesmo.

Monóculo


Entrevista: A paixão pela década de 60

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

10 sites que eu amo

Observatório da Imprensa

Como o nome já diz, é o nosso Observatório do desempenho da mídia brasileira. Analisa como as notícias foram veiculadas na mídia e conta também com artigos muito interessantes sobre o jornalismo e novidades. Além de sempre ser atual em relação às modificações pela qual o jornalismo passa por causa das novas tecnologias. No fórum, vários profissionais colaboram com conteúdos interessantes. É tão bom para o profissional jornalista como para o cidadão comum que procura uma análise imparcial sobre a mídia e os fatos.
O OI também conta conta com programa na tv. Veja as programações

O Mercado de Notícias

Navegar nisso aqui é uma aventura. Se trata de um documentário. Mas não é só isso. É muito mais. Começou como uma peça feita pelo
dramaturgo inglês Ben Jonson (1572- 1637), “The staple of news”. A peça de Jonson foi encenada pela primeira vez em 1626, em Londres, e esta é sua primeira tradução para a língua portuguesa, feita por mim e pela professora Liziane Kugland. A peça é uma crítica bem humorada a uma atividade recentemente criada, uma novidade em Londres: o jornalismo.
O projeto conta com peça, documentário, várias entrevistas  e casos jornalísticos que é onde você realmente vai se divertir.
Navegue e explore. Você não vai se arrepender.

Posfácio
Xochimilco Dolls Island
É um site de jornalismo literário e cultural sobre literatura, música, cinema e outras coisas maravilhosas. Não adianta eu falar aqui o que é, você tem que ir lá e ler de tudo um pouco. Tenho certeza que você vai gostar. Conta com artigos, resenhas e notícias.
Eu gosto especialmente dos textos da Isadora Sinay.

Copa de Literatura Brasileira

Tem copa melhor que a da literatura?
Para entender melhor como funciona tem aqui a edição 2012-2013 dividida entre oitavas de final, quartas de final, repescagem, rodada zumbi, semifinais e finais. Ao todo, 23 jogos com vários jurados defendendo a escolha dos livros disputados. Não foi o suficiente pra se interessar? Faz o favor de entrar no site.

Revista Bula

O site é também sobre literatura e jornalismo cultural.
O que eu gosto principalmente neste site são as listas de literatura. Vou listar os últimos três:



Vida Organizada
Foto do instagram do blog vida organizada
Quem não conhece o blog da Thais Godinho faça o favor de entrar lá.
Ela dá dicas de organização de tudo. Do guarda-roupa, de documentos, como economizar. Como organizar a sua vida!

My Milk Toof

Se trata de um projeto super interessante de historinhas de dois dentes de leite. Isso mesmo!
As historinhas são contadas através de sequência de fotos com legenda. Os dentinho tem várias expressões e também várias vestimentas.
Muito interessante também para aprender inglês.

Blade Runner

Quem não me conhece, talvez não saiba que eu gosto do filme Blade Runner. Este filme de Ridley Scott foi baseado em um livro de Philip K. Dick, Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? que, por ironia do destino, eu ainda não li.
Esse site tem tudo sobre o filme. Tudo mesmo. Desde curiosidades a erros de gravação... tem tudo.
Minha análise sobre o filme

Mermaid Life

Vida de Sereia é um blog maravilhoso sobre bem-estar. Tem vários dicas interessantes para você, que é mulher e quer ter uma vida de sereia. Uma vida simples, leve e sem preocupações. Tem vários dicas de suco, culinária, yoga, enfim. Maravilhoso.

Skipjack's Nautical Living

O layout desse blog pode ser cafona, mas é muito interessante para quem gosta dessas coisas de mar, coisas náuticas. Enfim, arte marinha.
Também tem várias notícias sobre o assunto como corridas de escunas (um tipo de veleiro) e notícias da arte marinha, por exemplo.
Se você não prestar atenção, vai perder vários links interessantes que ficam localizados ao lado direito do blog.
Escultura de Sereia em madeira pelo artista Virginia Jac & Patricia Johnson

domingo, 23 de novembro de 2014

Entrevista: A paixão pela década de 60

A entrevista a seguir foi realizada para uma matéria (que já está pronta) sobre nostalgia. Essa matéria faz parte de uma edição do jornal da minha faculdade com o tema Mudança. Quando tudo ficar disponível, vou disponibilizar aqui no blog.

A ideia surgiu de repente quando lembrei do filme Meia Noite em Paris de Woody Allen onde o protagonista é transportado para a década de 1920 quando é badalado meia noite. Essa é a década em que o personagem considera a Idade de Ouro, ou seja, a época de maior ascensão.

Além dessa, foi realizada outras entrevistas, mas neste post só tem a de Krysalis Pires. Ela tem 24 anos, é professora de educação física e auxiliar administrativo. Krys é apaixonada pela década de 1960.
Arquivo Pessoal
Você mudou seu visual quando descobriu o seu fascínio pela década?
Sim, de certo modo a forma com que me visto mudou um pouco. Já me vestia, com alguns acessórios ou alguma roupa que caracterizava a cena da época, mas depois de começar a gostar mais e estudar sobre, comecei a procurar por roupas que caracterizam esta época.

O que você mudaria mais para ficar mais perto dessa década?
Os móveis da minha casa. Sou apaixonada pelas casas e objetos da época. Acredito que se a minha casa possuísse essa características seria como se eu voltasse no tempo toda vez que eu entrasse nela. Como se vivesse naquele tempo.

Como você adquiriu esse fascínio?
Já gostava das músicas e do cinema, isso já ajudou bastante. Mas o meu interesse surgiu após ir a um evento de cultura dos anos 60, a partir daí eu comecei a procurar mais sobre o assunto.

Pra você, o que mais caracterizou a década?
O que mais caracterizou a época foi a chegada do rock’nroll com Elvis Presley, que foi o maior símbolo da história. Os jovens mudaram sua forma de se vestir com jaquetas de couro, topetes, lambretas que demostrava certa rebeldia. E as mulheres, abandonando a saia comportada para calças como um grito de liberdade. Todo esse movimento jovem em busca de liberdade é o que mais marca a época.
Arquivo Pessoal
Quais foram as mudanças que aconteceram?
Com todo esse movimento em busca da liberdade, uma mudança notável foi na área da moda, deixou de se tornar uma moda única. As roupas mudaram radicalmente. Isso se dá a este processo onde a roupa estava diretamente ligada ao comportamento.

Quais foram as mudanças físicas e psicológicas que aconteceram?
Avanço na área da comunicação, mudanças políticas, busca por liberdade de expressão e liberdade sexual, mulheres buscando igualdade de direitos, mudança de hábitos, vestimenta, música, cinema, arte, chegada do homem a lua... Enfim são diversas mudanças que ocorrerão na época que mudou todo o modo de agir e pensar de uma sociedade.

Você ficou fascinada pela década porque ela condizia com a sua personalidade ou houve uma mudança após a descoberta da década?
Identifiquei-me com a época pois mostrava um pouco do que eu sou. Principalmente pelo meu gosto musical e pelo cinema e seus artistas como Elvis Presley, Johnny Cash, June Carter, Frank Sinatra, Marilyn Monroe, Audrey Hepburn, entre outros. O modo que eles viviam e suas histórias trouxeram fatos em que eu pude me identificar, fazendo o amor pela época crescer mais.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Compras na Feira de Livros


Fui para uma feira de livros num shopping em agosto e comprei alguns livros por lá num preço massa.
O nome do evento é Cia Aprender e eles voltaram com a feira agora em outro local (justamente na minha universidade). Mas ainda bem que eu não comprei mais nenhum.

Os livros estavam num preço acessível e divididos em estantes por valor. O preço varia de R$5 até R$25. Então super vale à pena.



Comprei O Melhor do Inferno de Christiane Tassis, um livro que eu não conheço e estava por cinco reais. A edição está bem bonita e a autora é brasileira e esse livro faz parte de uma coleção chamada Ponta de Lança justamente para dar lugar a novos escritores. Na orelha, Maria Esther Maciel conta que este romance se confunde com filme. Fiquei curiosa. A história só lendo pra saber.



Agatha Christie não é novidade pra ninguém. Essa nova tirada da Globo de Bolso vem com novos títulos para os clássicos da autora. E Não Sobrou Nenhum foi publicado anteriormente com o famoso título O Caso dos Dez Negrinhos. Não sei o motivo da troca (não abri o saquinho). Esse livro me custou apenas R$7,90.



Outra Volta do Parafuso é um clássico e eu amei essa capa. Morro de vontade de ler autores como Henry James e é importante ter essa experiência. Essa edição é da Abril Coleções. Ela é bonita e econômica ao mesmo tempo. Papel jornal não me agrada, mas não resisti. Se eu não me engano o livro custou R$12.


Um Homem Célebre - Machado Recriado já está dizendo no título do que se trata. São 9 contos, 1 peça e alguns desenhos recriadas a partir de obras de Machado de Assis. Quem participa dessa brincadeira é Alberto Martins, Alberto Mussa, Carola Saavedra, Moacyr Scliar, Bruno Zeni, Lourenço Mutarelli, Cristovão Tezza, Mariana Veríssimo, Sérgio Augusto de Andrade e Felipe Hirsch. Me custou R$15.


A Secreta Carta das Gotas d'Água aos Humanos de José Sander comprei aleatoriamente. Não lembro quanto custou (acho que R$10). A capa não é nada atraente, mas o assunto é pertinente. Não sei se vou gostar. Mas com certeza vai me servir de muitas informações.

Eu gostaria de ter feito muito mais compras de livros em feiras, sebos e livrarias. Mas infelizmente eu sou uma pobre mortal sem dinheiro que precisa economizar. Por isso que eu aproveitei a oportunidade dessa feira que estava com preços super acessíveis.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Votar e cobrar - uma atitude cidadã



É praticamente impossível não falar de política nessa época. Todos votaram este ano para Presidência, governador, senador, deputado federal e estadual. Não quero aqui levantar bandeira de nenhum político. Eu não votei nulo/branco, mas voto com um pé atrás porque político é assim - promete, não cumpre ou faz o contrário do que prometeu. Mesmo assim votei com esperança naqueles que vi confiança.

O problema não é votar pra fulano. O problema maior dos brasileiros é votar, esquecer em quem votou e não cobrar as propostas que aquele candidato apresentou. Por isso resolvi escrever aqui.

Nunca fui muito feliz com política. Nunca gostei e também porque esse assunto me dá raiva. Mas não quero cometer o erro de votar e não me importar com isso depois. Você não deve sentir vergonha se você votou em um candidato que não foi feliz em seu mandato. Basta não repetir o erro nas eleições seguintes. Afinal, ninguém tem uma bola de cristal.

É natural que o eleitor de primeira viagem não saiba bem as funções de cada cargo político. Pensando nisso eu dei uma pesquisada e salvei em um arquivo para sempre cobrar certo dos candidatos. Tem coisas que a gente cobra de um político que não é, necessariamente, a função dele. Veja e faça o download, neste link, as funções de cada cargo político. Visualize aqui embaixo:



O ideal é que você crie uma pasta em seu computador com o nome de todos os candidatos que ganharam as eleições, em destaque os que você elegeu. Saiba como cobrar deles o que eles prometeram e também os informe sobre o problema de sua cidade, da sua rua e peça providências.

Você pode baixar as propostas de governo dos candidatos, saber de suas intenções políticas (antes de votar, claro). E sempre estar atualizado sobre as notícias que saem sobre eles. Uma simples busca no google pode resolver a sua falta de tempo de acompanhar diariamente os candidatos. Não procurem apenas no site dos partidos ou no site do candidato. Nenhum candidato vai atirar no próprio pé publicando notícias negativas sobre ele. Procure nos jornais principalmente.


A internet é um grande aliado quando usamos com consciência.

Fiz uma lista de todos os candidatos eleitos aqui em Pernambuco:


terça-feira, 30 de setembro de 2014

Aprender Inglês com Redes Sociais

Sempre gostei de inglês, mas quando eu estava na sétima série (sou da época que não tinha nona série), me desinteressei. Na verdade perdi o contato com o inglês (em casa). Se eu tivesse continuado estaria fluente hoje. Fiz curso 2 anos atrás na Minds, mas não adaptei ao modo ensino deles e pare num curso mais barato que se chama Easy e estou me dando melhor.

Mas nenhum curso vai adiantar se você não se esforçar em casa e praticar no seu dia-a-dia. Pensando no mundo de hoje, mundo das redes sociais, resolvi dar essa dica que estou implementando para mim e que está dando certo.

Estou em um monte de redes sociais (parei com o tumblr): pinterest, youtube, twitter, facebook, instagram, flickr e etc. A primeira dica é ir em settings e alterar o language de português para o inglês.

Fiz um curso online de photoshop básico para fotógrafos e o instrutor, que por sinal era Clicio Barroso, estava utilizando o Photoshop em inglês. Mas ele traduzia o nome das ferramentas porque, afinal, ele estava ensinando para brasileiros. Aí lá fui eu colocar em prática o que eu aprendi... O photoshop estava em português e eu tive de traduzir algumas ferramentas para o inglês para lembrar do que tinha aprendido com Clicio.

Por isso que “setar” a linguagem para o inglês é tão importante. Você fica condicionado a pensar em inglês e a usar palavras que você não usaria na sua língua.

Pinterest

O que eu faço lá? Sabe aqueles brinquedos de criança para aprender em inglês? Tinha um cartão com o desenho de um livro e atrás havia escrito “book”. É mais ou menos isso que eu fiz no pinterest. Salvo imagens no álbum “english” com o nome do objeto em inglês para aprender algumas palavras. O mesmo pode ser feito com algumas frases.
Pesquise "learn english" e explore.

Youtube
Há duas formas de se aprender inglês no youtube: uma é seguindo canais que ensinam inglês e há vários. Vou deixar algumas dicas para vocês. E a outra é ver vlogs gringos. Ajuda muito. Fora a infinidade de músicas que tem no youtube. Nesta rede social você pode criar uma playlist só para o aprendizado de inglês.

Twitter

Sem palavras. Você pode seguir pessoas na sua língua de origem, e você pode optar por seguir pessoas famosas como a Lady Gaga que vive twitando. Se você se deparar com uma palavra que não conhece como, por exemplo, Bookshelf, tenta parar pra pensar na palavra antes de recorrer ao dicionário. Você sabe o que é “book” e você sabe o que é “shelf”. Você pode deduzir e o contexto também pode te ajudar. Se não sabe, a segunda opção é jogar a palavra no pinterest. No twitter, você pode criar uma lista só para isso.

Facebook
Há vários grupos de conversação e páginas de dicas de inglês. Vou deixar alguns grupos aqui.
Tem também o whatsapp que tem grupos de conversação, mas eu não tenho whatsapp, então nem posso dizer como funciona porque eu não utilizo.


Como podem ver, há várias formas. Eu coloquei as que eu conheço e que uso, mas tem outras várias formas que estão por aí disponíveis. Dicas na internet é que não faltam. Você só precisa encontrar sua própria maneira mais eficaz para se aprender uma nova língua.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Por que eu sou contra o aborto?



Eu já escrevi um post sobre isso no outro blog, mas dessa vez eu vou acrescentar algumas coisas.
Vi alguns argumentos de pessoas que são a favor e isso me ajudou ainda mais a ter argumentos contra o aborto. Quero deixar claro que eu não irei utilizar argumentos religiosos!

  • Há várias formas de prevenções e a mais conhecida é a camisinha, e camisinha é distribuída gratuitamente. Outra forma são as pílulas, além da injeção, do adesivo, do diu e um que eu usei que eu não sei o nome mas é super simples e barato que é um tipo de rolha que se introduz na vagina de tempos em tempos, a mulher não sente nada e dá pra fazer sexo com ele dentro. 
  • A maioria das mulheres que engravidam é porque foram negligentes e não porque esses métodos de prevenção não funcionaram ou porque não tinha disponível.
  • Nos países em que o aborto é legalizado é sim algo banalizado. E já é banalizado aqui sem mesmo o aborto ser legalizado. Não é difícil conhecer mulheres que abortaram mais de uma vez, eu conheço.
  • Antes de pensar em legalizar o aborto, levar em consideração que é preciso informar não só sobre a prevenção, mas como também as formas de controle como por exemplo a ligação das trompas, e, no caso dos homens, a vasectomia. Realmente, o Governo deveria incentivar, fazer campanha sobre isso. Já que a maioria das mulheres que fazem o aborto são pobres, não tem condições de criar filhos (financeiras e às vezes psicológicas) e porque já tem filhos. Além do controle da natalidade. Isso aqui não é desumano. Desumano é o aborto ou colocar filho no mundo pra pedir esmola e cheirar cola.
  • Não preveniu e engravidou? Doe. É triste, mas é verdade. As mulheres que querem adotar uma criança preferem bebês. Senão, coloque no orfanato. 

Eu ouvi um argumento dizendo mais ou menos assim:
"Não é justo punir uma pessoa tendo um filho porque ela cometeu um erro uma vez. Condenar uma pessoa a criar uma criança porque ela fez uma noite sem camisinha..."
Inacreditável!

1. ninguém quer punir ou condenar ninguém,
2. existem vários métodos de prevenção e depois ela nem precisa criar o filho, já disse lá que existem mulheres querendo adotar bebês, além dos orfanatos.
3. esse pensamento tira a responsabilidade da mulher. E responsabilidade todo mundo deve ter, independente da idade e da classe social.
4. fez sexo sem caminha numa noite e não tomou a pílula do dia seguinte? E ainda sim essa pessoa deve ser perdoada e tem direito a fazer aborto no SUS.... Fala sério!

Conheci muitas meninas que engravidaram e eram pré-adolescentes ou adolescentes e hoje cuidam do filho. Ou seja, assumiram a responsabilidade com todas as dificuldades. E nenhuma delas é rica. E são contra o aborto!

Já teve uma outra que se negou a tomar a pílula do dia seguinte porque acreditava na própria sorte e descobriu que estava grávida e fez o aborto. Essa pessoa sabia de todas as prevenções e optou por passar pelo caminho mais difícil. E vocês querem tirar a responsabilidade dessa pessoa e entregar pro governo???

"Ah, e a mulher que for estuprada?"
Nesses casos já está previsto por lei que ela tem direito ao aborto se quiser.

Aborto é desumano, é assassinato sim.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Ocupe sua Cidade



Já teve o #ocupeestelita no Recife (que teve repercussão internacional) e agora o #ocupequartel em Olinda. De forma bem resumida a ideia de #ocupe é de pensar um espaço público mais verde, com parques e mais área de lazer para nós, cidadãos e moradores. Além da questão de urbanização. Afinal, um parque verde bem arborizado é muito mais bonito e respirável que um prédio alto. Ponto. Não há dúvidas disso.

Acontece que essas áreas, nunca antes ocupadas, estão entregues; sem ocupação, não servindo para nada. Dando o exemplo do Cais Estelita, uma área de galpões, que tem história e até bonito com os galpões coloridos um ao lado do outro. Bonito mais ordinário - um lugar desocupado há anos, área que só atraía doenças, drogados, violência e que ninguém tinha protestado até uma empresa privada querer fazer algo ali.

A área já é da empresa, então, como qualquer cidadão que compra um terreno, tem todo o direito de construir o que quer que seja. O mesmo acontece com uma área que já foi do quartel e agora já é propriedade da empresa. Já tá decidido. Se a população queria fazer um parque ali, por que não se mobilizou quando estava disponível?

Outra coisa, Olinda tem muitos parques abandonados pela Prefeitura. Sim meu pequeno Padawan, áreas por qual temos direito de ocupar e direito de cobrar manutenção. Esse povo quer parque e eles têm, mas não ocupam e não cobram da Prefeitura a manutenção - mais iluminação, pintura e restauração dos brinquedos, mato crescendo e entre outras coisas. Vamos parar de invejar o espaço do vizinho e prestar atenção na nossa.

Tenho certeza que esse shopping que será construído em Olinda vai beneficiar muitos olindenses. Quem está desempregado vai ter oportunidade (como aconteceu no Shop. Rio Mar). Eu, você e tu que tá protestando - aposto que tu frequenta shopping pra comer, comprar roupa, calçado, pagar as contas (porque no shopping é mais seguro), ficar de bobeira, ver filme, comprar casquinha, encontrar os amigos e etc. Fora que Olinda não tem shopping. Vai contar o Tacaruna? Tacaruna fica mais pra Recife que Olinda rapaz...

* * *

Olinda e Recife (cidades irmãs) tem muita cultura, história e lugares interessantes pra explorar. Tem igrejas, casas tombadas, museus, bibliotecas públicas, ateliês e galerias, parques e muitas outras coisas.

Em Recife tem o Pátio de São Pedro onde tem museus, tem o Espaço Pasárgada que em breve abrirá biblioteca para o público, têm igrejas, tem Mercado São José, tem o Forte Cinco Pontas, Museu da Cidade do Recife e sua biblioteca, tem a Biblioteca Pública e tantas outras coisas que são mais exploradas por turistas do que por nós. Não paga nada pra entrar. E a gente tem que ir mesmo, tem que ocupar. Vocês não gostam de ocupar? Vamos ocupar e cobrar que todos esses espaços estejam bem conservados e abertos para o público. São opções pra você que não gosta de shoppings centers.

Em Olinda temos o Museu de Arte Sacra de Pernambuco e outros museus, a biblioteca pública que precisa urgentemente de uma manutenção e pessoal qualificado (vamos ocupar e protestar), temos igrejas e até ruínas, temos o Alto da Sé, os parques. A praça do Carmo, por exemplo, está abrigando moradores de rua que estão repelindo quem frequenta. Não digo nem os turistas... A única área com teto está cheia de colchões e o pessoal sai de lá pra pedir comida e dinheiro. Vamos fazer algo que beneficie esse pessoal e a nós, frequentadores... Vocês conhecem a Sociedade dos Poetas Vivos? Pois é, temos isso em Olinda e é ali no Carmo mesmo.

Tem tanta coisa, tanta cultura e história pouco exploradas e lugares mal conservados, teatros e cines fechados e vocês vão protestar porque uma empresa comprou um terreno pra construir um shopping que, querendo ou não, vai dar emprego e também lazer. Por que não? Tem parque ali perto, vamos explorar melhor a nossa cidade.

Conheço muita gente que não sabe onde fica a rua da Aurora, que nunca foi para o Espaço Pasárgada, que nunca visitou o teto do Paço Alfândega, que nunca foi pro Mercado São José, que não sabe onde fica o Mercado da Ribeira, o Mercado Eufrásio Barbosa. Que não sabe onde fica o Museu da Cidade do Recife, que não sabe qual é a Ponte Giratória e porque ela tem esse nome... E muitas vezes são as mesmas pessoas que vão pra esses #ocupes, são contra os shoppings, que são contra "o sistema".

Eu sou contra essas áreas não serem exploradas. Eu sou contra essas áreas não serem restauradas e mantidas. Sou contra a falta de verba para as bibliotecas, os museus. Sem museu, sem história. Para uma cidade histórica, museu é fundamental, deveria ser mais valorizado!

Fica aí então o meu apelo!

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Por que começar a tomar chá?

Posso confessar no fundo do coração, que como toda criança normal eu odiava chá. Por quê? Simplesmente porque eu só tomava quando estava doente e eu acabava vomitando. Fora que não gostava do gosto e algumas vezes meus pais me davam sem açúcar pois acreditavam que seria mais eficiente dessa forma. Depois tomei chá verde durante um tempo pra emagrecer e deu super certo!

Retuitei um link muito interessante: Fatos sobre chá e acabei traduzindo, através do Google Translate, para conhecermos mais sobre essa bebida antiga, maravilhosa, poderosa e saudável.

1. Todo o chá vem de uma única e mesma planta, Camellia Sinensis.

planta Camellia Sinensis (Imagem: Wikipedia)

2. Pesquisas apontam que o chá ajuda para a supressão de células cancerígenas e tumores.

3. Foi nos EUA onde o chá gelado foi inventado e são os americanos que bebem mais chá gelado do que em qualquer outro lugar.

4. Uma xícara de chá possui a mesma quantidade de antioxidantes que dez copos de suco de maçã.

5. A recomendação dos especialistas é de tomar três xícaras de chá diariamente para manter sua defesa imunológica ativa.

6. Se você não quer ir ao dentista, você deve se tornar fã de chá. Combate cavidades e mau hálito. Beba especialmente o verde e o preto.

7. O chá é composto de inúmeras variedades e sabores. A recomendação é: em vez de usar saquinho, prepare com folhas soltas.

8. O saco de chá foi inventado por Thomas Sullivan. O engraçado é que era um puro acidente.

Saquinho de chá foi inventado por Thomas Sullivan (Imagem: Pinterest)

9. Vamos quebrar o esteriótipo Inglês agora. As últimas pesquisas apontam que os irlandeses bebem mais chá do que qualquer outro povo no mundo.

10. Beber chá cura e suporta as funções do coração.

11. O chá tem a possibilidade de fazer o seu apetite menos passional. Se você quiser ganhar alguma força espiritual quando passar por uma dieta, basta tomar chá.

12. Um pouco de conhecimento teórico: há quatro tipos de chá - branco, verde, oolong e preto. É claro que diferentes culturas transformam esses quatro tipos em milhares.

13. Em um dia, um experiente selecionador de chá pode recolher 31,7kg que equivale a 14 mil copos.

14. Leite equivale a chá. Misturar os dois faz de você um verdadeiro Hércules!

Personagem Hércules (Imagem: Pinterest)
15. Chá preto = Café. Quer começar a ser fã de chá preto?


Estão pensando em começar a tomar chá?
Eu fiquei mais interessada!

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

5 grupos do Skoob

Se você não conhece o skoob, faz-me o favor de dar uma passada lá. É como um orkut para nós, amantes de livros, onde podemos organizar os livros que lemos, que estamos lendo, que desejamos ler e entre outras funções (inclusive trocar livros com os outros usuários). Assim como no orkut, o skoob tem "comunidades" que são chamados de "grupos". E aqui vai cinco dicas para você que acabou de fazer uma conta lá ou ficou com vontade de fazer depois dessa.

Clube do livro 2 caras

Já falei dele aqui duas vezes no blog e sim, este é o meu favorito. Procurei no skoob um clube de leitura e esse foi o único que eu encontrei ativo. Lá, você vai ter a oportunidade de opinar com várias pessoas sobre um livro que foi escolhido. Você entra, se apresenta e é assim que você terá a oportunidade de escolher um livro para ser debatido pelo grupo. Foi desse jeito que eu fiz o pessoal ler Demian. Aqui eu tive oportunidade de quebrar meus preconceitos literários e também de ler livros maravilhosos. O debate acontece todo mês com data e hora marcada, mas você pode debater após essa data.

Livro Viajante

Tem uma proposta super legal e é um grupo bem ativo e organizado. Neste grupo, uma pessoa cede um livro para viajar pelo Brasil para que um número de pessoas determinado por ela tenham oportunidade de lê-lo. Cada tópico corresponde a um livro, as pessoas que forem entrando vão se manifestar indicando qual é a ordem que quer, tipo "quero ser a terceira a ler o livro", enfim. E aí a dona passa para a primeira e quando esta terminar passa para a terceira e assim por diante. Cada uma tem um tempo para ler o livro e não pode passar do prazo. São pelos tópicos que as pessoas irão ter noção de com quem está, quem enviou, quem recebeu e etc. O grupo não debate os livros que viajam.

Eu amo ler

Ah! Você pensou que jogos fossem coisas só do orkut? Se enganou então! Lá tem vários jogos para você perder o seu tempo precioso lendo títulos de obras literárias ou tentando adivinhar de que livros saíram aqueles personagens citados. São jogos como "A capa mais bonita da estante do colega acima", "Personagem com a inicial do usuário acima", "Cobiçando a estante alheia", "Leio / Descarto", enfim, esses joguinhos que com certeza você já viu no orkut, só não viu em versão literária.

Clássicos da Literatura

Bem óbvio, aqui é um lugar pra você que gosta de clássicos ou que pretende ler mais clássicos.  Dá para incentivar você a ler mais clássicos. Têm várias perguntas para instigar uma comunicação entre os membros. Só sinto falta de tópicos que analisem os clássicos, que debatam sobre ele e falem mais sobre o universo. Mas dá para aproveitar.

Livros em PDF

Apesar de fazer parte desta lista, este é o grupo que eu menos recomendo. Por quê? Por "n" motivos e principalmente por valorizar a obra ao autor. Não desanimem em comprar o livro físico, é muito melhor para ler, muito mais interessante pegar o livro, sentir o cheiro, abrir a orelha e ler sobre o autor, enfim. Se você tem condições financeiras para tais, desfrute! Mas se você for um pobre mortal feito eu, não se acanhe. Livros no Brasil são caros sim, não tem escapatória. Mas dá pra você comprar um livro na livraria ou sebo por mês, pelo menos. Leia em PDF, mas não esqueça de buscar promoções e descontos nas livrarias e também faça um tour pelos sebos de sua cidade.





Me adicione no skoob

quarta-feira, 30 de julho de 2014

5 perfis no twitter para quem curte fotografia

1. HistoryInPics
@HistoryInPics

"Compartilhando das mais poderosas e divertidas fotografias históricas já tomadas"
Tem várias fotografias antigas e fotografias clássicas de personalidades mundiais e acontecimentos. Todas contém legendas e o ano em que foi tirada. A maioria das fotos, claro, são em preto em branco. Não porque não existia o filme colorido, mas porque era menos aceita e bem mais cara (na verdade esse fator econômico influenciou muito). Os filmes preto e branco podem ser revelados em casa com químicas fáceis de serem encontradas e mais simples de serem manipuladas.

2. Comedy Photos
@RealPhotoBombs

Se você está procurando fotos e prints engraçados, esse é o twitter. Não conheço outro com o mesmo propósito. Se você conhecer, por favor, compartilhe. O problema da maioria das fotos compartilhadas no twitter é que as fotos são cortadas quando elas estão no tamanho maiores da capacidade do espaço do post. Então isso acaba prejudicando o entendimento de algumas fotos onde você precisa clicar no post para vê-lo completamente. Fora isso, o twitter é bom pra quem curte retuitar coisas engraçadas.

3. Healthy Food Photos
@StayFitFood

Como o nome já diz, são fotos de comidas saudáveis. E eu confesso que, apesar de não consumir comidas saudáveis, eu adoro ver. Não gosto de ver fotos de comidas calóricas. E esse twitter é ótimo para quem está nessa fase de comer comidas saudáveis para emagrecer ou porque quer ficar com o corpo bonito ou porque gosta mesmo, oras.

4. Nat Geo Photography
@NatGeoPhotos

Já ouviu falar em alguém que não gostasse das fotos da revista National Geographic? Então, nem eu. Se já, essa pessoa não merece o seu respeito, rs. Está certo de que, para você ver a maioria das fotos nesse twitter, é preciso abrir os links. E isso não é muito prático, admito, mas os links trazem várias outras fotos maravilhosas. Então vale à pena. E se você quiser ver as fotos pelo twitter mesmo, é só abrir uma foto e sair passando e então você vê as outras como em um álbum.

5. Magnum Photos
@MagnumPhotos

Sem palavras para falar sobre a agência francesa Magnum. Surgiu em 1947 por Robert Capa e seus amigos, incluindo Henri Cartier Bresson, quer mais?


* * *

Se você conhece outro perfil de fotografias muito bom, deixe nos comentários

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Muito blues em Black Snake Moan (2006)


A música muitas vezes é protagonista em obras cinematográficas e, para mim, esse foi o caso de Entre o Céu e o Inferno (Black Snake Moan) que trás uma trilha sonora recheada de Blues - um estilo musical que "se fundamenta no uso de notas tocadas ou cantadas numa frequência baixa, com fins expressivos, evitando notas da escala maior, utilizando sempre uma estrutura repetitiva" (Wikipedia).

Inclusive o nome do filme, Black Snake Moan deriva de uma canção de blues.

O longa se trata de um drama que envolve um ex-guitarrista de blues do Mississipi e uma mulher que foi encontrada por ele espancada na beira da estrada. Lazarus vai tentar curar Rae de sua ninfomania adquirida após ter sido estuprada pelo próprio pai durante a sua infância.

Lazarus é interpretado por Samuel Jackson e Rae é interpretada por Christina Ricci. O namorado de Rae, Ronnie, é interpretado pelo cantor e ator Justin Timberlake.

O ator Samuel Jackson teve de aprender a tocar blues de verdade para tocar ao longo do filme e todas as músicas derivam do repertório de R. L. Burnside. Ricci usou realmente as correntes que foram utilizadas para curar a doença e abstinência da personagem. Além de algumas roupas e acessórios de sua personagem terem saído do armário da própria atriz. (Wikipedia)

Na playlist eu tentei manter as versões originais interpretadas pelo ator Samuel Jackson. Não quis me ater a uma playlist de uma trilha sonora e sim numa trilha de muito blues (o que não quer dizer que só tenha blues na playlist).

PS: A última música, a This little light of mine foi cantada pela atriz Christina Ricci em uma cena.



Lista da trilha sonora original
Trailer do filme
Blues (wiki)
Fonte (wiki)
Vídeo que eu não incluí mas que contem várias cenas do filme

sábado, 12 de julho de 2014

Demian, a história de uma juventude - Interpretação pessoal

O texto a seguir é uma interpretação pessoal da obra "Demian" escrita por Hermann Hesse em 1917. Esse texto fez parte do debate do "clube do livro 2 caras" - grupo lá no Skoob e ele foi escolhido por mim, por sinal. A obra foi selecionada pela Revista Bula como umas das 10 obras que vão mudar a sua vida. 
É importante que você leia a obra para entender. Todos os links úteis estão no final desse post.


Acredito que a intenção de Hermann Hesse nesse romance era o de exprimir as reflexões dos jovens naquela época. Sobre a liberdade, as regras, D’us, existencialismo. E acho que ele conseguiu fazer isso em várias etapas.

A primeira foi a do reconhecimento quando Sinclair quer impressionar os seus ‘amigos’ e acaba se dando mal. E também o de experimentar algo proibido. E, por ser criança, em sua pura inocência, acaba se entregando às ameaças de Kromer e criando sentimentos que só um adulto em apuros teria.
“Muitos se recusarão a acreditar que uma criança de onze anos incompletos possa sentir dessa maneira. Não é para esses que escrevo, mas para aqueles que conhecem melhor o ser humano”.
Esse sentimento que em algum momento a criança irá sentir um dia pode ficar marcado e poderá influenciar em outras etapas da vida. Acho que o sentimento de insegurança e impotência e dependência façam parte disso. A falta de reconhecimento da própria existência, o querer ser quem não é nos pode levar a caminhos solitários.

A questão de negar a existência do Eterno também se torna presente em muitos jovens e foi assim com Sinclair. Mas um ser supremo deu lugar a outro e assim conheceu Abraxas, através de Demian. A negação da dualidade entre “luz e trevas”, “Deus e Diabo”, fez o jovem conhecer um deus mais homem, mais humano, sem dualidades e extremidades. Talvez fosse um escapismo de regras, responsabilidades e escolhas.

Para mim, Demian representa a busca insaciável pelo conhecimento. Mas quando se desprendeu dele, Sinclair encontrou um caminho desregrado da embriaguez. Quando encontrou Pistorius, o personagem que deu lugar à ausência de Demian. Demian suscitava nele interesse pelo conhecimento e pela reflexão. Mas só no fim Sinclair encontra sua autonomia intelectual. Quando Demian se vai, desaparece.


Sinclair teve de negar a educação que vivia em seu seio familiar para encontrar a sua própria educação e disciplina. É o que os jovens fazem. Mas ele tinha uma marca que o tornava especial, diferente dos outros.
E depois o orgulho de se sentir parte dos homens intelectuais, capazes de pensar, refletir e interpretar questionamentos da vida: 
“A descoberta de que o meu problema era um problema de todos os homens, um problema de toda a vida e todo pensamento, pairou sobre mim de súbito como uma sombra divina, e me senti penetrado de temeroso respeito ao perceber o quão profundamente minha própria vida e meu pensamento participavam da corrente eterna das grandes idéias”. 
E depois descobre um mundo de solidão e isolamento. Da qual posso dizer que é uma característica que a maioria dos intelectuais possuem quando não encontram a sabedoria e a plenitude.

"A ave sai do ovo, o ovo é o mundo.
Quem quiser nascer tem que destruir um mundo."

A minha interpretação era que a marca que Sinclair possuía (a marca de Caim) era um símbolo para a inclinação à sabedoria. Demian a busca, e Eva a sabedoria, a plenitude, a resposta para todas as perguntas.

Eu sempre acho que interpreto mal, até porque essa obra fez muito sentido na época. Apesar dela fazer sentido hoje, ela não tem idade. Mas a interpretação que deram na época fez mais sentido.

Fiquei por muito tempo pensando o que eu iria escrever desse livro. Ele não é fácil de se interpretar. Acredito que o próprio Hermann Hesse encontraria várias respostas e interpretações para ele. Vários sentidos.

Demian foi tão importante para Sinclair, assim como Gertrud foi importante para o protagonista. Como também foi assim em Sidarta. A aspiração de si sempre está no outro. Em um guia que tem alguma resposta que não se pode responder sozinho.


* * *



* Vale a pena comprá-lo. Está em algumas livrarias e inclusive, se você quiser mais barato, tem na Estante Virtual. A minha edição eu comprei lá.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

15 músicas que são diamantes para o ouvido

Sim, essa lista é da Revista Bula. No link você pode, além de ouvir a música, ler o comentário do autor da lista que é Rafael Teodoro (crítico de música). A lista compõe apenas músicas brasileiras. Eis o que Rafael diz na matéria:
"A lista vai do samba ao rock, da valsa à música sertaneja. Finalmente, as composições não estão dispostas numa ordem de valor artístico intrínseco, de modo que a primeira, de acordo com a minha escala de julgamento, não é melhor do que a última. Apenas são composições da música popular brasileira de que gosto e a respeito das quais decidi escrever breves comentários, indicando sua ouvida ao leitor da Revista Bula. Afinal, boas músicas, da mesma maneira que bons livros e bons filmes, são diamantes para o cérebro".
E para facilitar, eu criei uma playlist no youtube para que todos tenham acesso a essas músicas brasileiras. A lista é ótima, eu mesma que não ouço muito música popular brasileira, gostei bastante da seleção. Algumas eu nem lembrava de ter escutado.

Desfrutem!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Trilha sonora literária: 10 músicas que foram citadas em livros


Selecionei algumas músicas que foram citadas em livros.

Acho digno quando uma obra faz referências de outras obras. Sempre observei isso quando eu lia. Algumas referências eu deixava passar e outras eu ia lá pesquisar. Algumas me indicaram a próxima obra que eu iria ler. E sim, já houve referência de música que eu fui buscar no youtube.

Mas o insight para esse post foi enquanto eu estava lendo O Exorcista de William Peter Blatty. A referência da música Red River Valley veio do personagem do padre Damien Karras como sua música favorita. Não tinha me dado conta de que já era a terceira referência musical do livro. Então, tentei buscar na memória outras referências musicais e infelizmente veio poucas. Mas eu pesquisei.... Pedi ajuda no twitter e eis que fui ajudada por duas pessoas. Uma delas me deu um link de uma matéria interessante acerca da música Hey Jude como música citada com maior frequência em obras literárias. (link)

Só quero mencionar que as obras Eleanor and Park, As Vantagens de ser Invisível, O Pacto e Deixe a Inglaterra Tremer tem muito mais músicas citadas. Não deixei aqui a playlist de Deixe a Inglaterra Tremer porque não consegui entrar no 8tracks, mas deixo <aqui> o de As Vantagens de Ser Invisível.

Abaixo tem uma lista com o nome da música, autor e nome da obra em que houve a referência. Quem conhecer mais referências bacanas, por favor, deixar nos comentários, compartilhe e talvez surgirá um 2.0 desse post.

  1. Love Will Tear Us Apart - Joy Division - Eleanor and Park - Rainbow Rowell (mais)
  2. Norwegian Wood - Beatles - Norwegian Wood - Haruki Murakami
  3. Americanos - Caetano Veloso - Mundo Afora - Mel Lisboa
  4. Heroes - David Bowie - As Vantagens de Ser Invisível - Stephen Chbosky
  5. If You Love Someone, Set Them Free - Sting - O Pacto - Joe Hill (mais)
  6. Till We Meet Again - Doris Day - O Exorcista - William Peter Blatty
  7. Red River Valley - Woody Guthrie - O Exorcista - William Peter Blatty
  8. Three O’Clock in the Morning - Paul Whiteman - O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
  9. Beale Street Blues - Louis Amstrong - O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
  10. Halah - Mazzy Star - Deixe a Inglaterra Tremer - Sávio Lopes

sábado, 28 de junho de 2014

Illusions Perdues para não-jornalista ver



Mais um livro muito bom que se pode ler em um dia! Você só precisa reservar 5 horas mais ou menos para lê este livro de Balzac. Pelo menos a edição que eu tenho... Comecei a ler este livro mais ou menos às 15h e ainda procrastinei um pouco na internet e terminei mais ou menos às 20h e pouca. Além de ter parado pra me alimentar umas duas vezes...

A minha edição da editora Seguinte tem tradução e adaptação de Silvana Salerno e ilustrações de Odilon Moraes (da qual vou falar mais adiante). O que acontece? Eu já tinha ganho este livro de presente quando o avistei na Livraria Saraiva. A edição que tinha lá era da Penguin e fiquei (sem brincadeira) boquiaberta. Sim, a capa era linda*, mas não foi isso que chamou a minha atenção. O que chamou minha atenção foi a grossura do livro. E até agora estou achando que a minha edição foi.... diminuída seria a palavra correta? Esqueci a palavrinha. Fiquei encucada! Até porque a minha tem ilustrações e tem selo recomendável para o público infanto-juvenil.

Sobre as ilustrações eu não tenho nem o que falar. Nesse mesmo dia na livraria, eu encontrei uma edição linda da Cosac Naify do meu poema favorito com ilustrações de Odilon. Sim, o mesmo ilustrador do livro! E pra quem tiver curiosidade o meu poema favorito é Ismália de Alphonsus de Guimaraens. Eu curto muito o traço de Odilon Moraes. Não tirei fotos pois a capa já contém duas, mas as de dentro são maravilhosas e aconselho dar uma olhada nelas quando for à livraria.

* A ilustração da capa é de René Magritte em sua obra la reproduction interdite.

Ilusões Perdidas
Honoré de Balzac
223 páginas
Companhia das Letras, 2002
ISBN 978-85-359-0271-6
Edição da Penguin com os valores da obra em livro e e-book

David e Lucien

Lido a primeira parte intitulado de Os Dois Poetas, a gente conhece uma história que se passa em 1819; na cidade de Angoulême, no sudoeste da França.

Primeiro conhecemos um pouco sobre prensas (impressoras) - tipografias - mercado responsável pela impressão de jornais, convites, informes e etc. É aí que conhecemos Nicolas Séchard - um velho bêbado analfabeto, escroto (Lula), que só pensa em dinheiro.
"A tipografia de Nicolas Séchard imprimia o único jornal de editais do estado e todas as publicações da prefeitura e do bispado: três clientes que deveriam proporcionar grande fortuna a um jovem ativo¹".
A ambição de Nicolas era tão grande que ele vendeu a prensa para o seu filho por um preço exorbitante. ¹David, filho único, era tranquilo e não tinha ambições tão doentias quanto a do pai, então não se preocupava em bajular os clientes da Igreja e outros.

David reencontrou seu amigo de colégio e, pensando na dificuldade que a família de seu amigo estava passando após a perda do pai, David o chamou para trabalhar com ele.

Lucien Chardon tinha 21 anos, era poeta e pretendia ficar rico sem muitos esforços. Sua mãe começou a trabalhar como enfermeira e sua irmã Eve, em uma lavanderia. As economias eram investidas em Lucien para se tornar um rico e ajudar a família financeiramente - além de participar da alta-sociedade.

Lucien tinha um amor chamado Marie-Louise-Anaïs de Nègrepelisse ou somente Naïs (para todos ao seu redor) ou Louise (apenas para Lucien). Ela virou senhora Bargeton após casamento com um idiota, pois seu pai queria que ela se casasse com um homem "sem valor e grandeza" para manter o estado de espírito independente da jovem (mantivesse a liberdade). E que logo ela se tornasse viúva.

Naïs leva uma vida monótona até que um metido chamado Châtelet deseja se casar com a única jovem sonhadora e inteligente da cidade. Claro, após a morte de seu marido. Châtelet tem a ideia brilhante de apresentar um poeta da cidade para surpreender a senhora Bargeton e apresenta a ela o jovem Lucien. (lascou-se)

Ao invés da moça se interessar por Châtelet (o nome sugere uma de suas características) - ela se interessa pelo jovem Lucien e passa a convidá-lo para jantares, festas ou saraus.

A sociedade se revolta contra aquele absurdo (pobre frequentando casa de rico) - Lucien então sofre mas não desiste. Quer ser aceito e se tornar rico e amante da senhora Bargeton

Enquanto isso David percebe as besteiras das escolhas de Lucien. Acaba se apaixonando pela irmã de seu amigo - Eve. Eles vão se casar enquanto Lucien vai para Paris com Anaïs. Como isso aconteceu? Descubra lendo o livro.

Trechos dessa parte

"Por falta de acontecimentos e atividade intelectual, as coisas pequenas tornam-se grandes. Essa é a razão pela qual a pobreza de espírito e a fofoca dominam as cidades do interior" - página 36

" - Os deveres da sociedade tomarão todo o seu tempo, e o tempo é o único capital das pessoas que só têm a inteligência como fortuna. Ele vai gastar dinheiro sem poder ganhá-lo" - fala de David - página 62

o grande homem do interior é pequeno em Paris

Como havia previsto David, Lucien quebrou a cara com Anaïs. No interior, ela tinha personalidade forte; defendendo Lucien contra acusações. Mas em Paris ela o deixa de lado. Ela não tem personalidade própria e escuta os conselhos de todos em Paris.

Agora Lucien acordou para a vida e foi se hospedar num hotel mais barato e tenta vender um livro de romance e um de poesia. Foi aí que conheceu um amigo sensato e de bom caráter chamado Daniel d'Arthez - eles frequentavam a mesma biblioteca.

Lucien entra para o grupo de amigos de Daniel. O grupo se chama Cenáculo e eles são amigos de verdade. Não  existia inveja. Um inimigo de um se tornaria inimigo de todos. A amizade vai durar muito empo. O grupo inteiro trabalhou extra para ajudar Lucien quando seu dinheiro tinha acabado.

Depois de tantos conselhos de seus amigos, Lucien quer ser jornalista e continua lutando para publicar o seu livro. Pelo menos ele encontrou um jovem jornalista que lhe apresentou o diretor do jornal e um livreiro bem conhecido.

(ficamos sabendo nessa segunda parte - através de uma carta - que Eve e David terão um filho)

Em seu novo círculo de amigos, "Lucien só ouvira conversas sobre dinheiro. No teatro como nos lançamentos de livros, nas livrarias como nos jornais, a arte e o talento não estavam em jogo". - página 128.

Lucien descobre que até as potências das vaias no teatro são pagos pelo concorrente. Além do diretor do jornal fechar uma parceria com o teatro para ganhar dinheiro falando bem das peças nos jornais.

O poeta tem sua primeira matéria publicada e foi aclamado por todos, ganha o coração de uma ²jovem atriz e começa a se deslumbrar com o ambiente em que os jornalistas vivem. Bem que seus amigos avisaram.
(lá em cima no slide 2 tem uma foto que explica essa parte. Pause e veja)

Trecho da Segunda parte

"Meu Deus, preciso de ouro a qualquer preço! O ouro é o único poder diante do qual essa gente se ajoelha. Não, o ouro não, mas a glória, e a glória é o trabalho. Trabalho, o lema de David. Meu Deus, por que estou aqui? Mas vou vender!" - pensamento de Lucien - página 90



Os amigos do Cenáculo revisaram a sua obra e, de acordo com o autor, já dá para entender a profundeza dessa amizade: "Lucien havia entregue uma criança desengonçada e malvestida e recebia uma moça bonita e charmosa" - página 146.

De qualquer forma, os amigos ficaram tristes ao saber que ele tinha se entregue ao meio jornalístico se vendendo à corrupção que rolava naquele ambiente.

"Sua consciência lhe gritava 'Você vai ser jornalista!', como a feiticeira gritou para Macbeth: 'Você vai ser rei!'." - página 148.

A matéria de Lucien foi responsável pela ascensão de ²Coralie.

(Lucien já está em Paris há 3 anos e pela escrita parece apenas 1 ou 2 meses)

E enfim. Lucien começa a trabalhar  no jornal e conhece os seus bastidores. Ele já entrou no jogo dos jornalistas. Tudo acontece como se não houvesse público que lesse. Apenas intrigas aqui acolá (pessoais) com pessoas de nome. Coisas que não deveriam ser encaradas como "normais" no jornalismo. E outras porqueiras.

Assim, Lucien ascende na profissão e consegue, atacando um autor no jornal, publicar o seu livro de poesias. Decide se vingar da senhora Bargeton e do ministro usando o seu cargo de jornalista. Além de ter abandonado os seus amigos do grupo Cenáculo, aparentemente também a sua família. Lucien está deslumbrado com as suas conquistas em Paris.

"Como a maioria dos jornalistas, vivia cada dia intensamente, gastando à medida que ganhava". - página 181.

Os jornais parecem que existem apenas para trocarem tapas...
Lucian volta à sua amizade com a senhora..... após seu marido falecer. E dessa forma Lucien começa a querer uma vida como republicano deixando de "ser liberal".

Mas Lucian começou uma boa-vida - passou a se divertir e esquecer o trabalho. Logo, Lucien e Coralie se endividaram e tiveram que vender tudo e morar em um apartamento simples. Os amigos do Cenáculo foram visitá-lo para aconselhar sobre os perigos de sua posição política.

Como havia previsto seu amigo Daniel - Lucien começa a ser atacado nos jornais. Tudo aconteceu - seus amigos jornalistas começaram a atacá-lo enquanto tramavam a sua queda. Ele foi considerado monarquista enquanto foi obrigado (por causa do contrato com o jornal liberal) de escrever matérias liberais. E assim, perdeu a confiança com o grupo cenáculo...

Spoiler (se quiser ler, não leia essa parte)

Tudo deu errado. Lucien perdeu sua credibilidade com os liberais e os monarcas, Coralie adoeceu mas continuou trabalhando até que não aguentou mais. Lucien ficou sem dinheiro e saiu com apenas 20 francos para voltar pra casa no interior - andando.

Pelo que li, Lucien se perdeu em sua vaidade e acabou esquecendo de sua família e de seus verdadeiros amigos que o aconselhavam para o caminho certo. De pobre rico, de rico pobre, Lucian apenas se lamentou. Não tinha mais o que fazer. Podia ter se tornado um grande escritor com o livro que seus amigos revisaram e melhoraram.
Pobre Lucian.
O ponto negativo
A narrativa começa com os personagens Nicolas e David Séchard (e Eve também). Só sabemos, após a viagem de Lucien para Paris, que eles estão esperando um filho. Mais nada. Senti falta de saber qual foi o destino desses personagens. Se eles tinham melhorado de vida, se viviam felizes, se o negócio da tipografia tinha dado certo, o que eles pensavam de David mesmo o ajudando financeiramente. Essas coisas. Fora isso, gostei de tudo. Até do destino de Lucien e eu não me importo em saber se ele conseguiu voltar para o interior.


A minha edição é acompanhada de quatro (4) textos: sobre Balzac, sobre a narrativa, sobre o contexto histórico e sobre a história do jornalismo e a profissão.

Se não fosse as suas verdadeiras experiências como escritor e tipógrafo, Balzac não teria escrito esta obra. Seu pai e sua irmã foram pessoas fundamentais em sua vida e carreira difícil. Balzac teve a mesma ambição de seu personagem Lucien - dinheiro e fama.

Balzac também foi amante de Eveline (uma condessa polonesa) onde, acredito eu, inspirou o nome da personagem Eve, irmã e mulher de Lucien e David, respectivamente. Ou seja, Balzac foi tipógrafo como David, teve uma amante que se chamava Eveline, e teve a mesma ambição do personagem Lucien.

Balzac escreveu freneticamente. Obteve sucesso e reconhecimento. Mas não pôde explorar de sua riqueza como deveria. Oito anos após se casar, morreu em 1850.

Seu estilo se divide entre romancismo e realismo. Além de suas obras comporem personagens bem construídos e vivos à época. Por isso sua importância antropológica.

O que se passa no Brasil no período do livro é a independência. O país se tornava independente de Portugal, sob regência de dom Pedro I que reinou de 1822 a 1831.

O personagem Lucien se encontrava na época do começo do jornalismo. Não havia muitas regras, padrões e condutas como há hoje em dia. Apesar de muita coisa continuar acontecendo.

"Os jornais eram palco para fofocas, troca de desaforos ou de gentilezas, e críticas absolutamente pessoais. Não se pode dizer que nos dias de hoje tenha havido uma mudança radical em relação a esse panorama, mas o jornalismo adquiriu uma feição mais profissional [...]".

O primeiro jornal brasileiro, feito e para brasileiros, foi publicado em Londres, em 1808. O Correio Braziliense era dirigido e redigido por Hipólito José da Costa, refugiado na Inglaterra por causa da Inquisição.
+ Balzac nasceu em 16 de maio de 1799, na cidade de Tours, capital da Touraine, considerada uma das regiões mais belas da Europa. Filho de Bernard-Fraçois Balssa, agricultor do sul da França, e da parisiense Laure Salambier, Honoré Balssa de inspirou em Jean-Louis Guez de Balzac, um dos primeiros membros da Academia Francesa, para mudar de nome. [tirada do livro - um dos textos]

terça-feira, 24 de junho de 2014

"Child, the living's easy" - Conheça a música Summertime e suas versões


"One of these mornings                                                                                             Em uma destas manhãs
You're gonna rise, rise up singing"                                                            Você levantará, cantando animada


Uma vez eu escutei, em algum lugar a música Summertime na voz da Janis Joplin. Infelizmente eu não lembro onde foi, acho que foi em um bar e gravei a palavra "summertime" para pesquisar na internet. Ou seja, a primeira vez que eu escutei essa música, foi na versão da Janis Joplin. Não precisa dizer que eu fiquei encantada, precisa?

A letra é de DuBose Heyward, autor de um romance chamado Porgy no qual a ópera Porgy and Bess (1935), do compositor norte-americano George Gershwin, se baseou. 
Gershwin declarou que essa música foi baseada em uma canção ucraniana de ninar, Oi Khodyt Son Kolo Vikon (Um Sonho Passa Pela Janela), que ele teria ouvido numa apresentação na cidade de Nova Iorque de Oleksander Koshetz, no Coral Nacional Ucraniano. (Wikipedia)
Summertime foi reconhecida como uma das canções com mais covers na história da música gravada, com mais de 38.100 versões!
A obra logo se tornou um jazz standard muito popular e gravado com muita frequência, descrito como "sem dúvida... uma das melhores canções que o autor já fez... a composição altamente evocativa de Gershwin mistura elementos de jazz e os estilos das canções afro-americanas do sudeste dos Estados Unidos do início do século XX." aspas tiradas daqui
Segundo o musicólogo K. J. McElrath, Gershwin foi "notavelmente bem sucedido em sua intenção de ter este som como uma canção popular. [...] no contexto da uma tonalidade menor e uma progressão harmônica lento que sugere um Blues. Devido a esses fatores, esta música tem sido um favorito de artistas de jazz ao longo de décadas e pode ser feito em uma variedade de ritmos e estilos." 
Em setembro de 1936, uma gravação de Billie Holiday foi o primeiro a bater as paradas pop dos EUA, chegando a # 12. A versão mais comercialmente bem-sucedido foi por Billy Stewart, que alcançou a posição # 10 na Billboard Hot 100 em 1966. (Wikipedia)

A letra da versão de Janis Joplin (pois se não fosse por ela, esse post não faria presente):

Summertime - Janis Joplin*

Summertime, time, time
Child, the living's easy
Fish are jumping out
And the cotton, Lord
Cotton's high, Lord so high

Your daddy's rich
And your ma is so good-looking, baby
She's a-looking good now
Hush, baby, baby, baby, baby now
No, no, no, no, no, no, no
Don't you cry, don't you cry

One of these mornings
You're gonna rise, rise up singing
You're gonna spread your wings, child
And take, take to the sky
Lord, the sky

But until that morning
Honey, n-n-nothing's going to harm ya
No, no, no no, no no, no

* tradução aqui

Segue abaixo uma playlist com algumas dessas versões. Não coloquei a versão de Sublime pois achei muito longe da versão original. Há apenas um trecho dela, além da melodia.



Summertime - época de verão; verão (minidicionário Oxford)