sexta-feira, 17 de maio de 2013

Artigo de Opinião - Espiral do Silêncio, medo do isolamento e Facebook

Espiral do silêncio é uma teoria bem pensada da filósofa e socióloga alemã Elisabeth Noelle-Neumann para explicar o por quê de algumas pessoas permaneceram silenciosas por acharem que, expressando suas opiniões, fique isolado da sociedade, por achar que é minoria. Geralmente, esse receio faz sentido, já que, expressar sua opinião trará, provavelmente, o comportamento negativo das pessoas. Ou seja, o indivíduo se auto-censura, se priva de proporcionar uma outra reflexão sobre determinado assunto.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Poesia da Semana

Rascunhos de Pensamentos

Um pedaço de papel qualquer,
uma mesa de bar.
Ao relento, pensamento vão,
nem sempre atento, os leva o vento.
Tento ordená-los, porém o vendaval
de sonhos os transforma em surreal.
Serena de ideias, orvalho de sentimentos,
sutileza do subconsciente
de aceitar o esquecimento.

Livro: Derramando Versos
Autor: Luis Eduardo Garcia Aguiar
Valor: R$20,00
Onde comprar: Editora Babecco

sábado, 4 de maio de 2013

Arte e Artifício



O que é arte?

Como se tem definido arte?

Arte é tudo o que demanda criatividade na produção do belo, do que produz prazer aos nossos sentidos. Não quero entrar na questão ética de prazeres imorais. E o que é criatividade, e para que serve?

Criatividade advém de uma necessidade, e necessidade, de uma urgência. Urgência incita decisão e iniciativa e, por fim, atividade criativa.

Dessa urgência emergem tanto as invenções da humanidade em geral, como também as obras de arte. As obras de arte, podemos dizer, surgiram para suprir uma necessidade. A necessidade de bem estar e de comunicação, uma forma de comunicação e também, em certo sentido, como forma de preencher o vazio. Sim, vazio, porque a mente humana detesta espaços vazios, tempos vazios, espaços em branco etc, enfim, a mente humana necessita de sentido. Comunicação porque os homens precisam de algo com que se comunicar, com os Deuses ou com os próprios homens. Depois a arte se sofisticou e passou a ser também uma forma, uma maneira de ostentação de poder e riqueza. Aliás poder, juntamente com misticismo, eram atributos necessários aos intermediários entre os Deuses e os homens, para que se fizesses mais críveis e, portanto, mais poderosos. Da arte, na forma de símbolos, desenhos, pinturas etc. se utilizam para dar forma ao seu poderio, justificar seus atos e manter seu status quo.

É de se notar que, antes de a humanidade se tornar tão laica, científica e tecnológica, prática e consumista (não estou falando, naturalmente, da idade da pedra), que os objetos de uso prático eram acompanhadas de alguma espécie de ornamento. E esses ornamentos refletiam as crenças, mitologias, estórias ou as formas da natureza. Estas eram mais admiradas do que hoje são. Para tanto eram necessários que artesãos, artistas, pessoas mais habilidosas e disponíveis para exercerem essa tarefa, passassem a aprimorar suas ferramentas e suas técnicas de trabalho. E isso resultou no desenvolvimento de todos os tipos do que hoje chamamos de arte: desenho, pintura, escultura, teatro, e mais recentemente, fotografia, cinema, etc.

A arte é útil e necessária ao nosso bem estar, nosso bem viver, harmonia com os homens, os Deuses e a mãe natureza. A arte é um atifício humano para o bem viver. Para nos dar utilidades e prazer. E a estética (ou seja, o estudo, ciência ou filosofia que se debruça sobre o que agrada (dá prazer) aos nossos sentidos) procura dizer o que pode ou não pode ser considerado arte, ou seja o que produz ou não esse prazer, estético.

Por Cleator Draden

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Assisti e gostei!

1. Golpe de Mestre (The Sting) - (1974) - George Roy Hill

Illinois, 1936. Dois vigaristas dão um golpe em um capanga de um chefão e embolsam uma grana alta. Mas isto não fica por assim, pois o chefe da quadrilha decide se vingar e mata um daqueles que lhe aplicaram o golpe. Porém, o outro foge e entra em contato com um ex-parceiro, sendo que ambos decidem aplicar no criminoso um tremendo conto do vigário, que abalará tremendamente as finanças deste chefão mafioso. Ver Trailer

2. Drácula de Bram Stoker (1992) - Francis Ford Coppola

No século XV, um líder e guerreiro dos Cárpatos renega a Igreja quando esta se recusa a enterrar em solo sagrado a mulher que amava, pois ela se matou acreditando que ele estava morto. Assim, perambula através dos séculos como um morto-vivo e, ao contratar um advogado, descobre que a noiva deste a reencarnação da sua amada. Deste modo, o deixa preso com suas "noivas" e vai para a Londres da Inglaterra vitoriana, no intuito de encontrar a mulher que sempre amou através dos séculos. Ver Trailer