terça-feira, 30 de outubro de 2012

Dia Nacional do Livro




Ontem foi o Dia Nacional do Livro, coincidiu com a data de aniversário de uma amiga. 29 de outubro! O dia foi escolhido por ser a data oficial da fundação da Biblioteca Nacional. Inicialmente chamada Real Biblioteca no Brasil, ela começou com um acervo de 60 mil peças, entre livros, manuscritos, mapas, moedas, medalhas, etc. trazidos de Portugal com a vinda da família real portuguesa para o Rio de Janeiro em 1808, quando D. João VI fundou a Imprensa Régia, o movimento editorial começou no Brasil. A Biblioteca Nacional é a maior biblioteca da América Latina, sendo considerada pela Unesco uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo.


O primeiro livro publicado aqui foi "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga, mas nessa época, a imprensa sofria a censura do Imperador. Só na década de 1930 houve um crescimento editorial, após a fundação da Companhia Editora Nacional pelo escritor Monteiro Lobato, em outubro de 1925.

Na Idade Média os livros eram feitos a mão e produzidos por monges que usavam tinta e bico de pena para escrever os textos. Um livro pequeno levava meses para ficar pronto. 


Ao ler um livro, nos evoluímos, desenvolvemos a nossa capacidade crítica e criativa e também construímos novos vocabulários em nossas vidas.



Não importa se é história do passado, do presente ou da fantasia, o importante é ler que quisermos, quando quisermos, onde queremos e claro, ler no nosso ritmo, pois cada pessoa tem um ritmo na leitura, algumas leem mais rápido, outras demoram um pouco mais, mas o que importa é ler, pois só quem lê é mais criativo e inteligente. O livro é um meio muito importante para adquirir conhecimento, e contribuir com o desenvolvimento da nossa linguagem e escrita. Além de ser muito gostoso ler!


Se aprochegue na poltrona e comece a ler!



"Viajar pela leitura
sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura
que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso
quem gosta de ler.
Experimente!
Assim, sem compromisso,
você vai me entender.
mergulhe de cabeça
na imaginação!"

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Centenário de Nelson Rodrigues em exposição na Torre Malakoff

Em comemoração do centenário de Nelson Rodrigues, a Torre Malakoff sedia a Ocupação Nelson Rodrigues. A exposição reúne um grande acervo de jornais, pôsteres, entrevistas sonoras, visuais e impressas, revistas e informações sobre o escritor que poucos conhecem. De um lado, a parte do Nelson jornalista, a outra, a parte Nelson família, dramaturgo e escritor.

Nelson Rodrigues nasceu em Recife em 1912. Aos 4 anos de idade mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro. Foi o quinto filho dos 14 do casal Maria Esther Falcão Rodrigues e Mario Leite Rodrigues, como indica a árvore genealógica exposta na mesa na Torre Malakoff. Escreveu romances, contos, crônicas, peças e novelas de TV.
Como jornalista, trabalhou no jornal A Manhã (propriedade de seu pai), foi repórter policial aos 13 anos, seguindo a carreira da maioria de seus irmãos. Nelson, ajudado pelo seu irmão Mário Filho, que era amigo de Roberto Marinho, começou a trabalhar no jornal O Globo mas sem salário. Seu maior sucesso jornalístico é quando começa a escrever as crônicas de A vida como ela é em Última Hora nos anos 50. No esporte, ele era apaixonado pelo Fluminense e começou a escrever crônicas esportivas em 1962 com 50 anos.
O escritor descobre que é tuberculoso, seu tratamento é custeado por Marinho. Depois de recuperado, assume a seção cultural de O Globo, fazendo críticas de ópera. Em 1945 abandona O Globo e passa a trabalhar nos Diários Associados. Começa a escrever seu primeiro folhetim Meu destino é pecar, assinado pelo pseudônimo de “Susana Flag”. O sucesso do folhetim alavancou as vendas de O Jornal e o estimula a escrever uma terceira peça, Álbum de família, que foi censurada e publicada apenas em 1965.
O “anjo pornográfico”, como se dizia Nelson, fala como começou a gostar de dramaturgia em um de seus relatos expostos na Torre Malakoff em Recife: “Na verdade, sempre achei de um tédio sufocante qualquer texto teatral. Só depois de Vestido de Noiva é que tratei de me iniciar em alguns dramaturgos obrigatórios, inclusive Shakespeare.” Vestido de Noiva foi o grande sucesso de Nelson Rodrigues, uma renovação no teatro brasileiro. A partir daí ele se transforma em um grande representante da literatura teatral de seu tempo. Muitas vezes, suas peças eram vistas como obscenas e imorais.
Nos anos 70 a saúde de Nelson Rodrigues começa a decair. O período coincide com os anos de regime militar que o escritor sempre apoiou. Foi neste mesmo período, que acontece o fim do casamento com Elza, e Nelson veio a se casar duas vezes com Lúcia Cruz e Helena Maria. Nelson Falcão Rodrigues falece num domingo de manhã no ano de 1980 aos 68 anos de idade. Foi enterrado em Botafogo no cemitério de São João Batista.
Em suas obras, Nelson era  realista e também criticava a sociedade,  principalmente o casamento: “Mais tarde, eu saberia que trair um amor é uma impossibilidade. Mesmo com outra mulher, é o ser amado que estamos possuindo”. Foi um dos maiores observadores da sociedade, e também da mulher: “Era preciso que alguém fosse, de mulher em mulher, anunciando: - ‘Ser bonita não interessa. Seja interessante’”. Em O Primo Basílio, o escritor expõe seu erotismo realista e conquista o público.
Nelson Rodrigues escreveu 17 peças teatrais. Elas estão agrupadas em 3 grupos: peças psicológicas, peças míticas e tragédias cariocas. Algumas novelas da TV Globo foram baseadas na obra do autor. Também 24 filmes foram baseados em suas obras.
Aos 4 anos de idade, Nelson já se revelava um escritor polêmico num concurso de redação, ele escreve uma história de adultério. Foi neste mesmo período que a vizinha de Nelson o vê aos beijos com sua filha de 3 anos de idade, com ele sobre ela. Meio tarado não?
Nelson foi um grande escritor, dramaturgo, cronista e jornalista. Este pernambucano mais carioca do Brasil, está imortalizado na literatura brasileira. A exposição vai até o dia 21 de outubro na Torre Malakoff, Bairro do Recife. A exibição mostra cadeiras com tablets com imagens de entrevistas de Nelson, fotos. Há também móveis antigos e máquinas datilográficas para voltar à época de Nelson. As frases do escritor estão em todos os lugares, no chão, nas paredes, e projetores que exibia também imagens.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Histórias Medonhas d'O Recife Assombrado

A notícia é antiga mas ignorem! Eu fui num lançamento de um livro d'O Recife Assombrado. Quem não sabe acesse o site (http://orecifeassombrado.com). Lá você poderá ler alguns contos, histórias de terror e ver algumas boas ilustrações.
Lembro que cheguei beeeeem atrasada pro lançamento, quase que não entrei por causa disso. Sentei ao lado de uma amiga que já tinha pego uma senha, que serviria para sorteio de um livro. Me lamentei de não ter chegado antes e ter pego. Até comentei: "Poxa, queria tanto ganhar esse livro". 
Quando acabou as histórias de terror, já estava na hora de acabar, perguntaram quem ainda não tinha pego a senha, e logo levantei a mão. Peguei a senha e sem muitas esperanças eu fui uma das sorteadas e ainda ganhei assinatura de um dos autores.
Me ignore nesta foto
 Vale muito a pena ler os relatos e as histórias medonhas. Algumas realmente são divertidas, mas a maioria é de se arrepiar. 
Eu tentava sempre ler em um lugar com pessoas, num dia bem ensolarado, ou mesmo no ônibus. Mas não tinha jeito, eu me arrepiava de medo. Não adianta se esconder no meio da multidão. À noite você lembra da história e é capaz de sonhar com ela.
Algumas são relatos de recifenses. Não tem como ficar com medo. Ainda mais nós que somos recifenses nos identificamos e deparamos com lugares que frequentamos. Só de passar por perto dá medo.
Se você gosta desse tipo de leitura não sabe o que está perdendo.


Me desculpem os que leem o meu blog. Soube que tem gente que lê mas não comenta, até porque eu vejo a quantidade de views aqui.
Não tou numa fase muito boa, mas um dos meus objetivos é manter o blog atualizado. Vou tentar postar uma vez por semana pelo menos.
Por falar em notícia antiga, eu tenho uma nova: sabe o óculos que aparece na foto em cima? Eu perdi ele no fim de semana. Espero comprar uma armação mais bonita pra mim. Do jeito que eu tou não dá pra ficar pior! Ou dá?