quinta-feira, 21 de junho de 2012

Florbela Espanca



Florbela Espanca nasceu no dia 8 de Dezembro de 1894 em Vila Viçosa que é uma vila portuguesa. Foi batizada como Flor Bela de Alma da Conceição Espanca.

Florbela foi filha de Antonia da Conceição Lobo e do republicano João Maria Espanca. O seu pai era casado com Mariana do Carmo Toscano, que era estéril, e João Maria teve filhos de um caso extraconjugal com Antónia. Nasceu Florbela e três anos depois, nasceu Apeles. João Maria os criou em sua casa e Mariana era madrinha de batismo dos dois. Mas João Maria só reconheceu a paternidade em cartório, 18 anos após a morte de Florbela.


As suas primeiras composições poéticas datam dos anos 1903-1904: o poema "A Vida e a Morte", o soneto em redondilha em homenagem ao irmão Apeles, e um poema escrito por ocasião do aniversário do pai. Em 1907, escreveu o primeiro conto: "Mamã!", e no ano seguinte faleceu sua mãe Antónia, com 29 anos.

Florbela foi uma das primeiras mulheres em Portugal a frequentar o curso secundário. Aproveitou para requisitar diversos livros na Biblioteca Pública de Évora, e leu obras de Balzac, Dumas, Camilo Castelo Branco, Guerra Junqueiro, Garrett.

Em 1913, se casou com Alberto de Jesus Silva Moutinho, seu colega da escola. O casal morou em Redondo. Dois anos depois, instalou-se na casa dos Espanca por dificuldades financeiras. Um ano depois, 1916, volta para Redondo reunindo uma seleção de sua produção poética desde 1915, inaugurando o projeto Trocando Olhares. A coletânea tem 85 poemas e 3 contos que mais tarde, foi ponto de partida para futuras publicações. Suas primeiras tentativas, falharam.

Nesse mesmo período, a poetisa colabora como jornalista em Modas & Bordados em Notícias de Évora e em A Voz Pública. Completou o 11° ano do Curso Complementar de Letras e matriculou-se na faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Foi uma das 14 mulheres entre 347 alunos inscritos.

Um ano mais tarde, Florbela sofre consequências de um aborto involuntário, que lhe afetou ovários e pulmões. Repousou em Quelfes onde apresentou os primeiros sinais sérios de neurose.


Em 1919, sai sua primeira obra, Livro de Mágoas, um livro de sonetos. A tiragem de 200 exemplares, se esgotou rapidamente. Um ano mais tarde, ainda casada, a escritora passa a viver com António José Marques Guimarães.

Em 1925, divorciou-se pela segunda vez. Mas no mesmo ano, ela se casa com o médico Mário Pereira Lage, que conhecia desde 1921 e com quem vivia desde 1924. O casamento decorreu em Matosinhos e passaram a morar a partir de 1926.

Em 1927, preparava um volume de contos, O Dominó Preto, publicado apenas em 1982. Neste mesmo ano, Apeles Espanca, seu irmão, falece num acidente de avião. Em homenagem à ele, escreve o conjunto de contos As Máscaras do Destino, publicado em 1931. Sua doença mental agravou-se, e um ano mais tarde da morte do irmão, tentou suicídio pela primeira vez.

Florbela tentou suicídio por duas vezes em Outubro e Novembro de 1930, na véspera da publicação de sua obra-prima, Charneca em Flor. Após o diagnóstico de um edema pulmonar, a poetisa perde a vontade de viver. Não resistiu à terceira tentativa de suicídio, e falece no dia do seu aniversário em 1930 com 36 anos em Matosinhos. A causa da morte foi a sobredose de barbitúricos.

Ela deixa uma carta confidencial e pediu para colocar no seu caixão, os restos do avião pilotado por Apeles. O corpo dela jaz, desde 17 de Maio de 1964, no cemitéiro de Vila Viçosa, onde nasceu.

Florbela Espanca traduziu vários romances e colaborou ao longo de sua vida em revistas e jornais. A temática abordada em suas obras, é principalmente amorosa com solidão, tristeza, saudade, sedução, desejo e morte.


Somente "Livro de Mágoas" (1919) e "Livro de Sóror Saudade" (1923), foram publicadas em vida da poetisa. Outras como Charneca em Flor (1931) Juvenília (1931) e Reliquiae (1934) saíram após seu falecimento. Toda a obra poética de Florbela foi reunida por Guido Battelli no volume Sonetos Completos em 1934. Em 1978 tinham saído 23 edições do livro. As peças da poetisa foram reconstituídas por Mária Lúcia Dal Farra, que em 1994 editou o texto de Trocando Olhares.

Manuel da Fonseca e Fernando Pessoa foram poetas influenciados por Florbela Espanca.

Florbela também influenciou na música. O grupo musical Trovante musicou o soneto "Ser poeta" incluído no volume Charneca em Flor. A canção "Perdidamente", com música de João Gil, tornou uma das músicas mais populares da banda. O cantor e compositor brasileiro Fagner interpretou o poema "Fanatismo", da coletânea Sóror Saudade, com sua composição do mesmo nome do álbum Traduzir-se (1981).



domingo, 17 de junho de 2012

David Bowie

Capa do disco Aladdin Sane


David Bowie (David Robert Jones), nasceu em Brixton no dia 8 de janeiro de 1947. Já atuou em alguns filmes e fez parte de trilhas sonoras de diversos longas como "Labirinto" e "Eu, Christiane F." onde atuou e cantou.
"Reflexos da Inocência" (Flashbacks of a fool - 2008) foi o filme em que o personagem de Daniel Craig, Joe Scot, relembra os tempos de quando era jovem e faz uma interpretação da música The Jean Genie de David Bowie
Atualmente, a música Heroes está no comercial da Coca-Cola.



Bowie é considerado "Camaleão do Rock" por ter mudado de visual diversas vezes em uma aparência andrógena, numa época em que nada disso era bem-vindo. Bowie amava a China, e compôs China Girl. Ainda deve amar, já que não morreu!
Bowie criou personagens e obras com grande influência na literatura. É daí que vem a profundidade intelectual em suas obras. Ziggy Stardust é um de seus personagens.


O artista, junto com Annie Lennox, homenageia Freddie Mercury com Under Pressure:


O músico não só foi influenciado como também influenciou músicos, visuais, obras musicais e cinematográficas, estilos e tudo que vem com ele.
David Bowie toca diversos instrumentos e nunca se prendeu a um estilo musical. Tem uma discografia imensa, além de filmografia e bibliografias, biografias também. O Camaleão ainda renovou em videoclipes.
Não tem como deixar de escutar Bowie. Sua obra é tão complexa e rica, que vale a pena parar pra tentar interpretá-lo, codificá-lo e discutir/dialogar com suas letras!

Jareth, personagem do Bowie em "Labirinto". Ele faz papel de vilão.


Não deixe de conferir:

Tem tantas outras músicas que gosto. Mas se eu for listar aqui, o post ficará infinito.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Hermann Hesse

Hermann Hesse (1877-1962) nasceu na Alemanha e se naturalizou suíço em 1923. O autor foi um adversário declarado do nazismo, e se posiciona contra a ascensão dessa ditadura por meio de artigos publicados na época.

Em 1946, ganhou Prêmio Nobel de Literatura pelo livro "O jogo das contas de vidro".


Pequeno Mundo reúne 7 contos situadas entre 1850-1900. Hermann Hesse é um autor que nunca pensou em comercializar suas obras. Sua literatura reconstitui senso de humanidade, grandeza espiritual, do reerguimento do ser, dos significados éticos da vida.

Seus personagens são tímidos, indecisos, ingênuos, humildes. Nestes contos, Hesse concentra toda uma filosofia de vida, se pondo a serviço de aprimoramento social e individual.



O Regresso, por exemplo, conta a estória de um rapaz de uma cidade pequena que decidiu viajar com outros rapazes para se atualizar no mundo dos negócios já que seu pai era curtidor de peles. Mas seu pai viu-se sozinho e envelhecia e abandonara o negócio e se entregou a vida ociosa.

August, permaneceu viajando. Trinta anos se passaram, August casou com a filha de seu amigo. Não teve filhos e sua esposa morreu. Transtornado, August decide voltar a viajar e acaba voltando à sua cidade de origem. É quando ele vê a cidade e seu primo com ambição por ele ser rico. August era sempre chamado para festas, mas não era bem falado. A cidade era movida por fofocas. August finalmente compra uma casa e conhece sua vizinha (também viúva), que assim como ele, é alvo dos mexericos.

O conto se desenrola por sua paixão pela vizinha que cuida da cunhada doente mental e August se maravilha com o jardim bem cuidado. Percebendo seu amor por ela, August a pede em casamento...

Será que ela aceita? Seria bom ler!

Outras obras do autor
O Lobo da Estepe (já foi citado aqui no blog)

terça-feira, 12 de junho de 2012

Dia dos Namorados

O dia dos namorados é uma data especial.


Seu surgimento foi em homenagem aos deuses Juno e Lupercus, conhecidos como os protetores dos casais. No dia 15 de fevereiro, faziam uma festa a estes, agradecendo a fertilidade da terra, os rapazes colocavam nomes de moças em papeizinhos para serem sorteados. O papel retirado seria o nome de sua esposa.

Como muitos casais apaixonados eram impedidos por suas famílias de casarem-se, um padre de nome Valentino passou a realizar matrimônios às escondidas, quando os casais fugiam, para que não ficassem sem receber as bênçãos de Deus.

Com isso, o dia 14 de fevereiro passou a ser considerado o dia de São Valentin (Valentine’s Day), em homenagem ao padre, sendo comemorado nos Estados Unidos e na Europa como o dia dos namorados.

A divulgação da data no Brasil foi feita pelo empresário João Dória, que havia chegado do exterior. Representantes do comércio acharam uma ótima ideia para aquecer as vendas e escolheram o dia 12 de junho para ser o dia dos namorados em nosso país. A data foi escolhida às vésperas do dia de santo Antônio, o santo casamenteiro.

As pessoas apaixonadas costumam presentear seus namorados ou cônjuges, a fim de mostrar todo o amor que sentem.

Nessa data, os casais saem para trocar presentes e comemorar, com um jantar romântico, a paixão que sentem um pelo outro, a afetividade e o amor, como forma de agradecer o companheirismo e a dedicação entre ambos.

Mas existem várias formas de comemorar o dia dos namorados. Mandar flores, cestas de café da manhã, uma cesta de happy hour para degustarem juntos, mensagens por telefone, serenatas, fazer uma pequena viagem, passar um dia em uma casa de relaxamento (SPA), dentre outras.

O importante é usar a criatividade e o romantismo!

FONTE
Para saber mais: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_dos_Namorados
Dica de site: http://www.presentediadosnamoradosweb.com.br/

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Filosofia

Ato de dar a razão das coisas ou pelo menos procurá-la, porque, enquanto nos limita-mos a ver e contar o que vemos, não saímos da história.

Foto Flickr Danielle


domingo, 3 de junho de 2012

perdendo tempo

Bom, hoje eu estudei muito e agora tou esperando meu namorado chegar. São 01:31! Enquanto eu estive esperando aproveitei pra perder meu tempo com futilidade (quase que normal para um ser humano). Depois de tanta leitura, eu até acho válido.
Eu tentei aí ir à cozinha fazer mau café com leite, mas avistei uma barata voadora e estou sem coragem de ir lá novamente. Eu tenho pavor de barata, já disso isso várias vezes.
Hoje eu vi/li umas coisas interessantes relacionadas ao Dia dos Namorados. Mesmo se eu tivesse solteira, eu faria isso de qualquer maneira porque achei a ideia muito criativa. Na verdade, foram váááárias ideias, mas eu só coloquei duas nessa coisa que eu não sei que nome dar:





































(me inspirei num jornal que tive que fazer pra avaliação). Depois eu vou postar aqui pra vocês verem como ficou o jornal que se chama "Diário 804" porque é o número da sala em que estudo. Foi em grupo, mas enfim.