terça-feira, 24 de agosto de 2010

Atemporal


Um vento
Sem documento
Cruzou a direção
Não pediu licença
Tampouco permissão
Soprava intrépido
Como ciclone ruído
Devora tempo iso
Arrastava imensidão
Este ar desconhecido
Corrói até juízo
Ilustrando seu gemido
Degenerou o siso
Obra pura da criação!

Ângelo Lima

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Letra e Tradução de Decades do Joy Division


Decades

Here are the young men, a weight on their shoulders
Here are the young men, well, where have they been?
We knocked on doors of hell's darker chambers
Pushed to the limits, we dragged ourselves in

Watched from the wings as the scenes were replaying
We saw ourselves now as we never had seen
Portrayal of the traumas and degeneration
The sorrows we suffered and never were freed

Where have they been?
Where have they been?
Where have they been?
Where have they been?

Weary inside, now our hearts lost forever
Can't replace the fear or the thrill of the chase
These rituals showed up the door for our wanderings
Opened and shut, then slammed in our face

Where have they been?
Where have they been?
Where have they been?
Where have they been?

Degeneração

Aqui estão os jovens, um peso em seus ombros
Aqui estão os jovens, bem, onde estiveram?
Batemos nas portas das salas mais sombrias do inferno
Levados aos limites, nos arrastamos para dentro

Observávamos das asas enquanto as cenas se repetiam
Nos vimos agora como nunca tínhamos visto
Retrato dos traumas e degeneração
As mágoas que sofremos e nunca fomos libertados

Onde estiveram?
Onde estiveram?
Onde estiveram?
Onde estiveram?

Cansados por dentro, agora nossos corações perdidos para sempre
Não podemos nos recompor do medo ou da ânsia da perseguição
Estes rituais nos mostraram a porta para nossas caminhadas sem rumo
Aberta e fechada, e então batida na nossa cara

Onde estiveram?
Onde estiveram?
Onde estiveram?
Onde estiveram?

domingo, 8 de agosto de 2010

O Nosso Livro - Florbela Espanca

Livro do meu amor, do teu amor,
Livro do nosso amor, do nosso peito…
Abre-lhe as folhas devagar, com jeito,
Como se fossem pétalas de flor.

Olha que eu outro já não sei compor
Mais santamente triste, mais perfeito
Não esfolhes os lírios com que é feito
Que outros não tenho em meu jardim de dor!

Livro de mais ninguém! Só meu! Só teu!
Num sorriso tu dizes e digo eu:
Versos só nossos mas que lindos sois!

Ah, meu Amor! Mas quanta, quanta gente
Dirá, fechando o livro docemente:
“Versos só nossos, só de nós os dois!…”

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Hole - Credit In The Straight World [tradução]

E eu acordarei
Vossa alteza, estou tão erguida que não consigo andar
E eu acordarei
Seu aleijado, você toma meu tempo, minha paz, minha empatia
Nenhum bebê dorme atrofiado
Seu amor não e nascido e estresse fetal
Meu carinho amargo de destino doce
Busque crédito no mundo careta
Olhe o parceiro no olho
Busque crédito no mundo real, você não vai tentar?
Tenho algum crédito no mundo careta
Perdi uma perna, perdi um olho
Busque crédito no mundo real, você morrerá
É o crédito no mundo careta
Deixe seu dinheiro quando morrer
Muito crédito no mundo careta te deixa doido
Tenho algum crédito no mundo careta
Perdi uma perna, perdi um olho
Busque crédito no mundo real, você morrerá