sexta-feira, 28 de maio de 2010

Gmork (lobisomem para Atreiú)

- Tinham perdido a esperança. Isso torna as pessoas fracas. O Nada as atrai irresistivelmente e nenhuma delas consegue resistir durante muito tempo.

- Quando entram no Nada (habitantes de Fantasia), ele se apodera de vocês. Passam a ser como uma doença contagiosa, que cega os homens, tornando-os incapazes de distinguir entre aparência e a realidade. Sabe o nome que eles dão a vocês? Mentiras!

- Você me pergunta como vai ser lá nesse mundo? Mas o que é você aqui? Que são todos vocês, seres de Fantasia? Figuras de sonho, invenções do reino da poesia, personagens de uma História Sem Fim! Você se julga real, filhinho? Pois bem, aqui, neste mundo, você é. Mas, se entrar no Nada, deixa de existir. Você se tornará irreconhecível. Passará a existir num outro mundo. Nesse mundo, vocês deixam de ser aquilo que eram. Levam ao mundo dos homens a cegueira e a ilusão. Sabe o que aconteceu a todos os habitantes da Cidade-Fantasma que se lançaram no Nada, filhinho? Transformaram-se em desvarios da mente humana, em imagens geradas pelo medo, quando, na realidade, não há nada a temer, em desejo de coisas que os tornam doentes, em idéias de desespero quando há razões para desesperar.

- É por isso que os homens temem e odeiam Fantasia e tudo o que dela vem. Querem aniquilá-la. Mas não sabem que, ao fazê-lo, aumentam a torrente de mentiras que cai ininterruptamente em seu mundo... essa torrente de seres desfigurados, tão diferentes do que eram em Fantasia, e que são obrigados a levar, no mundo dos homens, uma existência de cadáveres vivos, envenenando a alma dos homens com seu odor putrefato. Os homens nao sabem disso. Não é divertido?
Vocês têm poder sobre eles. E nada tem mais poder sobre o homem do que a mentira. Porque os homens vivem de idéias. E as idéias podem ser dirigidas. Esse poder é o único que conta. É possível que, com sua ajuda, se possam convencer os homens a comprar o que não necessitam, a odiar o que não conhecem, a acreditar no que os domina ou a duvidar do que os podia salvar. Por seu intermédio, pequenos seres de Fantasia, fazem-se grandes negocios no mundo dos homens, desencandeiam-se guerras, fundam-se impérios... Há também uma quantidade de pobres tontos que, naturalmente, se julggam muito inteligentes e pensam servir à verdade, e não encontram nada de melhor para fazer do que dissuadir as crianças da existência de Fantasia.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Ninguém

- E você... quem é você?, perguntou.
Atreiú refletiu durante um momento, antes de responder:
- Sou ninguém
- O que quer dizer isso?
- Quer dizer que outrora tive um nome. Mas esse nome nunca mais deve ser dito. Por isso sou Ninguém.
O lobisomem arreganhou um pouco os beiços e mostrou os terríveis dentes no que parecia ser um sorriso. Era especialista em toda espécie de desesperos da alma e sentia que, de algum modo, estava diante de alguém muito parecido.
- Se assim é, disse ele em voz rouca, então Ninguém me ouviu, Ninguém veio até junto de mim e Ninguém está falando comigo em minha última hora.
Atreiú voltou a assentir com um aceno de cabeça. Depois perguntou:
- E não poderia Ninguém livrá-lo dessa corrente?

(trecho de A História Sem Fim - michael ende)

domingo, 16 de maio de 2010

chuva


isso de ficar vendo a chuva
isso de tomar banho de chuva
e nunca usar o guarda-chuva

isso de pensar em nada
e a chuva passa
isso de ficar olhando
as gotículas de água

porque em algum momento
eu não estou mais ali
estou entre as gotas
e um dia irei desaparecer
que nem elas

aquele frio que toma conta
aquele abraço que te consola
e assim te arrepia
são as gotas de chuva
banhando o prazer da vida