terça-feira, 17 de outubro de 2017

Expositores recomendam livros na #bienalpe


[assista esse vídeo no youtube]

Já que estávamos num evento repleto de livros, decidi perguntar aos expositores que estavam participando da XI Bienal do Livro de Pernambuco, qual livro eles recomendam ou um livro marcante.

Esse foi o resultado:


  • Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez
  • Dom Quixote de La Mancha - Miguel de Cervantes
  • Direito Penal - Parte Geral - Cleber Masson
  • O Mestre da Sensibilidade - Augusto Cury
  • A Cabana - William P. Young
  • A Dança do Universo - Marcelo Gleiser



Novidades da Literatura Nacional
Entrevista Fernando Monteiro

Trechos do livro Quando Nietzsche Chorou de Irvin D. Yalom

Quando Nietzsche Chorou
Irvin D. Yalom



Achar tudo profundo, eis um traço inconveniente. Faz com que forcemos a vista o tempo todo e, no final, encontra-se mais do que se poderia desejar. P. 111

Não sei porque viver! Não sei como viver! P. 177

Houve um momento hoje em que experimentei uma estranha ausência. Senti-me quase como se tivesse em transe. Talvez eu seja, afinal, suscetível ao mesmerismo. P.226

Às vezes, é pior para um filósofo ser compreendido do que ser mal compreendido. Ele tenta me compreender bem demais; ele me adula na tentativa de obter orientações específicas. Quer descobrir meu rumo e usá-lo também como seu rumo. Ele não compreende que existe um rumo meu e um rumo dele, mas que não existe “o” rumo. Ele não pede orientações diretamente, mas me adula e finge que sua adulação é outra coisa: ele tenta me persuadir de que minha revelação é essencial ao processo de nosso trabalho, de que o ajudará a falar, nos tornará mais “humanos” juntos, como se chafurdar na lama juntos significasse ser humano! Tento ensinar-lhe que os amantes da verdade não temem águas tempestuosas ou turvas. O que tememos são águas rasas! P. 226

Chegar aos 40 abalou a ideia de que tudo me era possível. Subitamente, entendi o fato mais óbvio da vida: que o tempo é irreversível, que minha vida estava se consumindo. É claro que eu já sabia disso antes, mas sabe-lo aos 40 foi uma espécie diferente de saber. Agora, sei que o “rapaz infinitamente promissor” foi meramente uma ordem de marchar, que “promissor” é uma ilusão, que “infinitamente” não tem sentido e que estou em fileira cerrada com todos os outros homens marchando em direção à morte. P. 235

Viva enquanto viver! A morte perde seu terror quando se morre depois de consumida a própria vida! Caso não se viva no tempo, certo, então nunca se conseguirá morrer no momento certo. P. 301

Primeiro desejar aquilo que é necessário e, depois, amar aquilo que é desejado. P. 343

Cada um de nós deve percorrer seu próprio caminho. P. 366

Amor fati: escolhe teu destino, ama teu destino. P. 366

Tive de procurar alguns livros para vender e assim ajudar uma senhora. Entre eles, estava este livro que li anos atrás. Encontrei duas folhas soltas com essas partes do livro e comecei a reencontrá-las no livro para colocar a página que tinha a frase/trecho. Os trechos e frases a seguir, não consegui encontrar no livro - mas provavelmente está lá (porque estava entre as minhas anotações nas duas folhas):

Isaac estava fazendo 60 anos e descreveu um sonho que tivera na noite anterior. Ele estava percorrendo uma longa e escura estrada e tinha sessenta moedas de ouro no bolso. Estava certo daquela cifra exata. Tentava segurar as moedas, mas elas caíam por um buraco no bolso e estava escuro demais para achá-las.

O sonho deve ser um desejo de perder anos e se tornar mais jovem.

Pode ser que o sonho tenha expressado um temor: o temor de que seus anos estejam acabando e de que logo não restará mais nenhum!

Ele estava em uma longa e escura estrada tentando recuperar algo que perdera.

Talvez os sonhos possam exprimir quer desejos, quer temores. Ou talvez ambos.

Acredito agora que os medos não brotam das trevas; pelo contrário, eles são como estrelas: estão sempre ali, mas obscurecidos pelo clarão da luz do dia.

Os pensamentos são sombras de nossos sentimentos: sempre mais escuros, vazios e simples.

Ninguém mais morre devido a verdades fatais hoje em dia; existem antídotos em demasia.

De que serve um livro que não nos transporte além de todos os livros.

Qual é o sinal da libertação? Não mais se envergonhar diante de si próprio!

Morrer é duro. Sempre senti que a recompensa final dos mortos é não morrer nunca mais!


Para mim a palavra “dever” é pesada e opressiva. Reduzi mais deveres a apenas um: perpetuar minha liberdade. O casamento e seu séquito de possessão e ciúme escravizam o espírito. Eles jamais me dominarão. Espero, que chegue o tempo em que nem o homem nem a mulher sejam tiranizados pelas fraquezas mútuas.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Novidades da Literatura Nacional #bienalpe


[assista ao vídeo no youtube]

Esses foram alguns autores que estavam lançando seus livros na Bienal de Pernambuco. Não consegui fazer com todos os escritores que tinham stands lá.

Mas já deu pra perceber que tem muita novidade na nossa literatura. Eu me interessei por praticamente todos os livros apresentados nesse vídeo.

Acho muito importante a gente dá voz a esses escritores, dá espaço para a literatura nacional e foi isso que eu tive a intenção de fazer.

Livros:


  • Nove Meses e Quarenta Minutos - João Borges
  • Destino Proibido - Junior Franco
  • A Chave dos Mundos - Zeca Machado
  • Lavínia e a Árvores dos Tempos / Lavínia e a Magia Proibida - Lucinei M. Campos
  • Princesas GPOWER - Janaina Rico
  • A Gente dá Certo - Leonardo Antan
  • Memórias de Julho - Jéssica Figueiredo
  • O Vestido de Trinta Rosas / O Jardineiro - Lívia Messias
  • Homem pra Casar - Janaína Melo
  • Scorpion - Agatha Félix
  • Boteco dos Deuses - Carlos Ruas


Queria muito ter comprado todos os livros, mas infelizmente a minha situação financeira está deplorável. E isso eu vou falar no vídeo sobre o balanço geral da bienal (acredito eu). Mas o fato é que eu estou desempregada.

Se você é um(a) dos(as) escritores(as) que aparece no vídeo, por favor, deixe seus contatos de redes sociais nos comentários que eu darei uma atualizada neste post e na descrição do vídeo no youtube.

Meu canal com mais vídeos da bienal